Só se fala em crise... Eu já vi esse filme!

Artigo do professor Edison Andrades

Edison Andrades
Publicado em 18/08/2015, às 09h48

Só se fala em crise! Não podemos negar que a instabilidade econômica, o risco país, a inflação e tantos outros indicadores que contribuem para o crescimento do Brasil estão comprometidos, mas a pergunta que se deve fazer nesse momento é a seguinte: quando foi tão diferente?

Vejo manifestações pelas ruas e toda e qualquer queda nos negócios, nos dias de hoje, atribui-se à crise. Assim vai, o povo, numa maré impulsionada, como sempre, por outras forças políticas ocultas.

Cheguei a São Paulo no ano de 1989, embora com apenas 19 anos, alienado politicamente (como a maioria da minha geração), eu acompanhei de perto as grandes manifestações do “Fora Collor” em 1992. Éramos os “caras-pintadas” no vale do Anhangabaú (centro de São Paulo). Lembro que eu não pintei a cara, pois ainda que muito à margem de toda manipulação, eu conseguia discernir que havia forças maiores, alicerçando todo aquele evento e eu não quis ser uma pecinha de modelagem. Eu não tinha CR$50.000,00 no banco, portanto o calote não me atingiu. Eu não votava, pois meu domicílio eleitoral ainda se encontrava em minha cidade de origem (Rio Grande - RS), enfim, eu apenas assistia a tudo aquilo. Lembro que não entendia direito toda aquela confusão de família (refiro-me à família Collor) que se atacavam e traíam a si mesmos. Como sempre, havia um laranja no meio: PC Farias (o tesoureiro). Após tudo isso, tivemos o tal Impeachment. Uma palavra que eu acabara de conhecer. Sai Collor e assume o vice: Itamar Franco (sobre esse eu nem quero falar!). Então, o poderoso Congresso Nacional vota pelo impeachment de Collor (dos 509 deputados, 441 votaram a favor). Eles decidiram.

Hoje, vejo coisas parecidas acontecendo. Manifestações e protestos novamente. Queremos tirar outro presidente recém-eleito (ou eleita). Pior, trata-se de pessoa que conhecemos há 13 anos. Será que não tivemos a capacidade de perceber toda essa bomba relógio durante mais de uma década? Parece que não! E então, com toda essa nossa miopia política, achamos que vamos depor novamente um presidente? Aliás, achamos que fomos nós os responsáveis pela queda de Collor em 92?! Faça um teste com nosso povo que vai às ruas: pergunte quem é Renan Calheiros e Eduardo Cunha. Aproveite e pergunte o nome do vice que vai ficar no lugar de Dilma caso ela saia. Infelizmente, muitos não saberão. Assim eram os “caras-pintadas”!

Vamos ao panorama: o presidente do Senado começa a se dizer amigo. Nosso vice assume uma postura invejável. A oposição, em peso, na Câmara, e o povo nas ruas. Eu já vi esse filme!

Sinto muito, mas não somos nós que colocamos essas pessoas no poder. E não seremos nós que as derrubaremos. Vou tomar uma frase emprestada de nosso ex-presidente Fernando Collor (aquele que virou Senador em 2006 – eleito pelo povo) usada em sua campanha de 1989: "Não fale em crise. Trabalhe". Para Collor, era apenas uma frase de campanha, das eleições daquela época. Para nós, hoje, é uma questão de sobrevivência!
 



Prof. Edison Andrades é escritor, palestrante e sócio da Reciclare Treinamento. www.facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas