Administrando seus tijolos

Planejar é o que o ser humano aprende quando é ainda bebê. Planeja chorar para ganhar leite, planeja dar um beijo para ganhar uma bala do tio etc. Por que não planejar estudar, trabalhar na empresa “X”, chegar a posições mais elevadas?

Edison Andrades
Publicado em 25/07/2014, às 14h52

Sem dúvida alguma, vivemos em busca da felicidade. Podemos achar essa palavra (“felicidade”) piegas, banal e até démodé, mas o fato é que todos nós a perseguimos desde nosso nascimento até nosso fim. Mas por que temos a impressão de que ela existe apenas para os outros?

Observamos pessoas que nos parecem mais felizes e outras menos. Saiba que mesmo aqueles que afirmam serem felizes também passam por percalços. Afinal, sempre existirão dias bons e maus. Nossa vida é feita de momentos e, ao conjunto dos bons momentos, damos o nome de “Felicidade”. Ao contrário do que muitos pensam, não é preciso tanto para alcançar a tal felicidade, basta que saibamos administrar tanto os momentos bons como os maus.

Em tempos de faculdade (como aluno), tive contato com uma sigla, da área da Administração, que tem me acompanhado desde então: P.O.D.C. (Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar), difundida pelo grande Peter Drucker. Embora esse esquema mental tenha sido elaborado no século XIX, durante a Revolução Industrial, ele é perfeitamente aplicável em nossa carreira profissional e até em nossa vida pessoal. Seguir essa teoria é simples, basta entender que já aplicamos seus passos sem perceber, mas, por vezes, de forma invertida e desconexa.

Planejar é o que o ser humano aprende quando é ainda bebê. Planeja chorar para ganhar leite, planeja dar um beijo para ganhar uma bala do tio etc. E na idade adulta? Por que não planejar estudar, trabalhar na empresa “X”, chegar a posições mais elevadas? A construção de uma casa, por exemplo, começa idealizada na mente de alguém, em seguida vai para o papel. Por que não adotamos essa prática? Escreva o que lhe vem à mente ou, se você é mais high-tech, use vias eletrônicas (celular, planilhas, agendas virtuais etc.), aos conservadores, uma agenda ou caderno já ajudarão. Ainda tomando a casa como exemplo, perceba que você precisa organizar seu planejamento: numa construção, as coisas precisam ter uma ordem. Normalmente, inicia-se pelo alicerce, embora ele não apareça, é responsável pela sustentação.

Na escola (normal ou graduação), por vezes, consideramos algumas matérias desinteressantes e as classificamos como perda de tempo. No trabalho, você também pode ter essa sensação, caso a função que exerça hoje não faça parte daquilo que você almeja, entretanto, essa função inicial, assim como suas experiências escolares são seu alicerce. Tem gente que deseja iniciar sua “casinha” pelo telhado. Vai perder material! Portanto a organização é necessária.

Dirija seu percurso! Você é o único que pode dar direção e sentido a tudo que realiza. Ache significado nas coisas que realiza e as realize com qualidade. Assim como numa casa, se alguns tijolos estiverem tortos, comprometerão a estrutura. Vejo profissionais realizando “de qualquer jeito” as mais simples tarefas que lhes foram confiadas, assim vão ferindo sua reputação ao longo da vida, tornando-se pessoas indesejáveis para o mercado.

Por último, tenha em mente que é imprescindível realizar o Controle. Não vale de nada tanto sacrifício se não for feita a manutenção periódica desse esforço. Portanto, esteja sempre atento aos seus resultados e observe o que precisa fazer para aumentar sua empregabilidade, para se tornar um profissional disputado e desejado. Melhore sua postura, aparência, linguagem e atitudes. O mercado está carente de boas qualificações, mas princípios básicos também estão em falta, portanto precisamos de pouco para chamarmos a atenção (positivamente). Pense na casa sonhando grande, mas não se esqueça de administrar cada tijolinho. São eles que lhe proporcionarão um palácio.

Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Prof. Edison Andrades é escritor, palestrante e sócio da Reciclare Treinamento. www.facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas