Marketing “WEB” Pessoal

Artigo do professor Edison Andrades

Redação
Publicado em 02/10/2015, às 10h51

Não tem jeito! Somos uma ilha, cercada de mundo virtual por todos os lados. Hoje, as redes e as conexões já são realidade em nossa vida. Aquilo que parecia virtual (intangível) se torna cada vez mais tangível e concreto. O meio pode ser virtual, mas as consequências são reais. Vejo muita gente conectada o tempo todo, mas percebo que muitos não têm a dimensão da ferramenta poderosíssima que possuem em suas mãos. Ferramenta avassaladora e, ao mesmo tempo, “construtora”. Depende de como a usamos. Aliás, qualquer ferramenta pode ser usada para o bem ou mal. Uma faca, por exemplo, é fundamental num churrasco com os amigos, mas a mesma pode tirar vidas. O ser humano recebe coisas boas em suas mãos, mas, ao manuseá-las, acaba se perdendo. Desde a antiguidade é assim.

O mundo virtual pode ser, hoje, um dos maiores instrumentos promotores e alavancadores de carreiras profissionais, mas alguns se perdem e acabam atirando contra si mesmos. Certa vez, numa de minhas consultorias, recebi um pedido de ajuda de um selecionador novato. Possuía uma vaga e dois maravilhosos candidatos. Por saber que já atuei nessa área, pediu-me que analisasse ambos os currículos, a fim de aconselhá-lo na melhor decisão de contratação. Mas, ao invés disso, fiz outra sugestão, recomendando ao selecionador que buscasse conhecer os dois profissionais através das redes sociais. “Como certeza – disse eu – você perceberá qual deles se identifica mais com a cultura da empresa”. Ele seguiu à risca minha diretriz. Ao retornar de sua pesquisa, informou-me, decepcionado: “Nenhum dos dois fará parte de nossa empresa, pois nem acredito no que vi em suas páginas da Web!”.

As empresas americanas pesquisam com veemência as redes antes de contratar. No Brasil, tal pesquisa ainda não se tornou um hábito, mas já começamos a adotar essa prática que, certamente, é uma tendência. Temos de nos conscientizar sobre aquilo que já é fato: um perfil numa dessas redes sociais vale mais do que um currículo bem elaborado. E a explicação para tal fato é simples: na maioria dos perfis virtuais, as pessoas deixam cair suas máscaras, pois a tentação de “curtir” uma boa besteira é mais forte do que a pose de “bom garoto”. Sem falar nos erros crassos em nossa língua portuguesa.

As empresas de hoje sabem que talvez não precisem se preocupar tanto com o prévio conhecimento técnico das pessoas, pois os treinamentos organizacionais estão em alta e existem formas didáticas fantásticas e avançadas que são capazes de habilitar rapidamente até um agente de primeiro emprego, portanto, o foco hoje, nos processos seletivos, é conhecer as atitudes e o caráter do candidato, pois isso delineará, ainda que de forma hipotética, sua trajetória na empresa.

Quando compartilhamos um determinado conteúdo, na web, significa que compactuamos com aquilo, ainda que não sejamos os autores do mesmo. Não esqueça que seu caráter está diretamente ligado ao que você defende e dissemina. Saiba que marketing pessoal fazemos o tempo todo, em tudo que realizamos, e nas redes isso toma uma dimensão gigantesca. Portanto, se tudo que fazemos na Web pode se agigantar, por que não fazermos dela nossa melhor versão? Desejo muito sucesso virtual para você!


Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Prof. Edison Andrades é escritor, palestrante e sócio da Reciclare Treinamento. www.facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas