Ruídos que fazem ruir

Cuidado para que os ruídos não entrem em sua vida profissional.

Redação
Publicado em 28/06/2010, às 11h17

As vuvuzelas estão na moda, mas cuidado para que elas não entrem em sua vida profissional. Para quem não sabe o significado de “ruído”, lá vai: origina-se do latim “rugitus”, que também deu origem à palavra “rugido”. Rugido é o som emitido pelo leão em fúria, portanto significa barulho desarmônico ou som estridente e prolongado. Mas parece que alguns colaboradores não conhecem esses significados. Alguns gestores também não.


Existem seres humanos que precisam ocupar sua audição o tempo todo. Daí o sucesso dos tocadores digitais de áudio (para não mencionar alguma marca). Os jovens estão entre os que mais ocupam seus sentidos com todo o tipo de ruído sonoro, alguns chamados de músicas. Nada contra a diversidade de gostos espalhados pelo universo, mas devo chamar a atenção daqueles que, por vezes, não percebem que já se tornaram ruídos na vida das pessoas. São aqueles que falam demais, expõem sua opinião na hora errada e para pessoas erradas, reclamam de tudo o tempo todo e pior: contaminam o ambiente corporativo.


Por vezes encontramos esses “tipos” por onde andamos e, no ambiente corporativo, isso se torna trivial infelizmente.


Saiba que, sem perceber, nós também podemos assumir esse tipo de comportamento reprovável. Basta não atentar para alguns detalhes. Vejamos algumas maneiras de nos prevenir:


- Evite falar sobre problemas pessoais com colegas do trabalho. Caso um colega de trabalho seja, de fato, seu fiel amigo, procure conversar longe da empresa;


- Busque adequar seu padrão de vida à remuneração que lhe é ofertada. Quando gastamos mais do que ganhamos, costumamos colocar a culpa na empresa e isso provoca mais ruído;


- Não critique colegas de trabalho, expondo-os diante de outros. Isso tem nome, chama-se “fofoca”. Se sua crítica for construtiva, compartilhe-a com a pessoa a que ela se refere. Caso não resolva, fale então com seu gestor e, de preferência, na presença daquele que é alvo da crítica. Isso denota que você deseja resolver o problema, e não apenas fomentar ruídos;


- Evite relacionamentos amorosos no ambiente de trabalho. Dificilmente, será saudável. Caso a pessoa de sua vida esteja, realmente, nessa organização, sugiro que um dos dois mude de empresa, pois uma pesquisa recente revela que somente 18% dos relacionamentos originados em organizações perduram quando ambos permanecem na mesma empresa. Isso significa que, em 82% desses relacionamentos, há troca de emprego ou de parceiro. Não existe ruído pior que o de companheiros em crise no relacionamento, agredindo-se em horário de expediente.


Sei que muitas das situações descritas são, por vezes, inevitáveis, mas busque aprimorar sua capacidade de autoavaliação. Pior que gerar ruídos é não perceber que o faz. Ruídos arruínam carreiras, relacionamentos, perspectivas e atrapalham os resultados de todos.


Empresas que se omitem diante dos ruídos de seus colaboradores acabam ruindo, pois seu clima interno torna-se insuportável. Possuirão dificuldade em selecionar bons profissionais e perderão competitividade. Seres humanos que murmuram em demasia prejudicam seu desenvolvimento pessoal e, consequentemente, sua evolução profissional. E mais, gente mal resolvida profissionalmente costuma ruir outros pilares de sua vida. Dentre eles sua própria família.


Ah! E nunca se esqueça de incluir Deus em todos os seus planos.

Nosso espaço


Visite-nos e fale conosco em www.edisonandrades.com.br. Siga-nos no Twitter: profatendimento.



Veja também:


Capital Paulista: Telium contrata operadores de telemarketing


Expansão: Fisk planeja gerar 500 empregos até dezembro

Comentários

Mais Lidas