Aprendendo a aprender

Artigo do professor Edison Andrades.

Redação
Publicado em 08/07/2011, às 11h26

Certa vez, solicitei à plateia que aqueles que possuíssem algum sonho levantassem a mão. Houve unanimidade! Todos levantaram. Prossegui minha palestra mostrando que nossos sonhos são como a construção de uma casa. Exemplifiquei referindo-me a uma casa que, composta de tijolos, precisa receber cada tijolo para ser construída. Dizia que, se um dos tijolos da casa fosse colocado de forma desalinhada, poderia comprometer toda a estrutura. Na sequência, lancei, ao público, mais um questionamento: “como você constrói as paredes de seu sonho?” Houve silêncio!

As pessoas possuem dificuldade de enxergar uma casa a partir de um tijolo, ou seja, enxergar seu sonho realizado a partir de suas pequenas tarefas diárias. Alguns profissionais preferem negligenciar suas tarefas por estas serem pequenas. Mas o que seria de uma casa sem a pequenez de seus tijolos? Tudo que fazemos está diretamente ligado ao que aspiramos, ainda que não pareça. As coisas estão ligadas.

Outra limitação que comumente paira sobre o ser humano é a dificuldade de se colocar na posição de aprendiz. Muitos se julgam capazes de realizar tudo sozinhos. Alguns fazem pior, fecham-se para boas referências e vivem enclausurados em suas rotinas, mesmo que essas não lhes tragam resultados relevantes. Vejo profissionais que não progridem por não buscarem novas formas de realizar o que já fazem. Nunca desista de aprender, pois tudo que fazemos e aprendemos contribuirá um dia, de alguma forma, para nosso crescimento!

Pessoas ensinam pessoas. Tudo que sabemos partiu de alguma referência. Obviamente, aquilo que observamos e tomamos como referência pode ser transformado ou alterado por nossa subjetividade e capacidade intelectual, mas sempre teremos uma fonte de inspiração, quando buscamos fazer algo novo, geralmente nos espelhamos em quem já fez!

Reconhecer o valor do conhecimento dos outros é a virtude principal de um vencedor. Empresas também aprendem umas com as outras, chamamos esse mecanismo de Benchmarking. O Benchmarking surgiu na década de 70, nas empresas, como prática de observação de modelos de gestão, baseada nas principais empresas de sucesso, ou seja, colocar o Benchmarking em prática é aprender com sua concorrência direta ou indireta e adaptar ao seu negócio os modelos que trouxeram sucesso à concorrente. Chamo isso de inteligência e humildade.

Exercite, com mais ênfase, a “prática da observação”! Observe bons profissionais e tente imitá-los em suas atitudes e habilidades. Isso significa investir em cada “tijolinho”. Resista à mesmice! Se, até hoje, poucas coisas mudaram em sua carreira, procure ver o que pessoas que realizam tarefas semelhantes as suas estão fazendo.

Leia bons livros! Aprenda novas possibilidades de se chegar ao sucesso. Não pare de sonhar! Construa sua “casa” por completo, ainda existem muitos tijolos a serem colocados. Construa algo sólido! Sempre que você colocar um novo tijolo, não deixe de acrescentar uma poderosa liga: a aprendizagem.

Prof. Edison Andrades é palestrante e escritor.

Twiter: @edison_andrades

Site: www.edisonandrades.com.br

Comentários

Mais Lidas