Marketing pessoal eletrônico

Artigo do professor Edison Andrades.

Redação
Publicado em 16/09/2011, às 13h27

A internet e seus derivados chegaram para ficar e já fazem parte de sua vida. Ninguém pergunta se você possui um e-mail. Perguntam qual é o seu e-mail.

A internet contribui de forma muito relevante para a exposição de sua imagem, sobretudo em relação ao mercado de trabalho. A questão é se essa exposição será positiva ou negativa.

O ser humano adota alguns comportamentos ingênuos e simplórios, principalmente quando se encontra na condição de empregado. Saiba que, a todo momento, precisamos zelar por nossa imagem, ainda que estejamos seguros profissionalmente. A segurança profissional futura depende, em parte, da estabilidade de seu marketing pessoal presente.

O marketing pessoal valoriza o ser humano em todos os seus atributos e características. Inclusive em sua complexa estrutura física, intelectual e espiritual. Entretanto muitas pessoas usam mal o mundo virtual, quando o fator preponderante é a sua própria imagem.

Redes de relacionamento são usadas para projetar o lado pessoal e íntimo, ao invés de contribuir para a manutenção do marketing pessoal e o aumento da empregabilidade. Muitas organizações pesquisam redes de relacionamento para conhecer o perfil de seu candidato. Muitas também são as decepções experimentadas pelos selecionadores, ao se depararem com alguns tipos de fotos, vídeos e brainstorming (tempestade de ideias) ali expostos.

Outra ferramenta pessimamente usada pelos internautas é o Twitter. Pessoas criam uma gama fantástica de seguidores e, simplesmente, usam esse canal para expressar suas derrotas, desabafos e vontades ilícitas, empregando, ainda, palavras de baixo calão. Não sou contra a liberdade de expressão, mas não reclame das consequências que essa transparência toda trará à sua vida profissional. Cuidado com o Twitter (pronuncia-se "tuíter")! Trata-se de uma rede social que permite aos usuários enviarem e receberem atualizações pessoais de outros contatos (em textos de até 140 caracteres, conhecidos como "tweets"). Já vi mensagens do tipo: “Hoje quero matar meu patrão...”. Não sei se o patrão leu a mensagem, mas eu jamais indicaria alguém que deseja matar seu patrão (em outras palavras, matar serviço).

Chegamos então ao meio de comunicação virtual mais usado e banalizado de todos: o correio eletrônico. Mesmo que você não esteja procurando emprego, não esqueça seu network (rede de relacionamentos). Sempre mantenha contato por meio de mensagens personalizadas, precisas e pessoais. (Ex.: “Olá, fulano, como está? Faz tempo que não falamos! Como está a família, filhos? Aqui em casa está tudo bem. Mande notícias. Grande abraço.”). Simples e simpático. Alguns só se comunicam para pedir ajuda.

Não peça nada e não atrase o dia de ninguém com mensagens lindas e grandes. Isso não faz parte do mundo dos que possuem influência no mercado.

Evite mandar “correntes eletrônicas”. Não adianta você escrever no corpo do e-mail: “Não costumo enviar este tipo de mensagens, mas esta é especial.” Quem não costuma enviar esse tipo de mensagem, não envia.

Não mande convites para redes de relacionamento (Orkut, Facebook, etc), a menos que a pessoa a quem o convite se destina encaixe-se plenamente em tal rede. Quanto aos demais, se quiserem se filiar a essas comunidades, farão sem a sua ajuda.

Use a modernização eletrônica a favor de sua imagem virtual, para que ela não se torne uma arma letal contra sua imagem real.

Prof. Edison Andrades é sócio da Reciclare Consultoria e Treinamento.

e-mail: edison@reciclareconsultoria.com.br

Twitter: @edison_andrades

Comentários

Mais Lidas