Profissão fofoca

Artigo do professor Edison Andrades.

Redação
Publicado em 08/10/2012, às 11h01

Desde sua existência, o homem já se comunicava e, consequentemente, relacionava-se. Isso foi se intensificando quando passou a viver em sociedade e a pertencer à comunidade e vice-versa.

No mercado de trabalho, o relacionamento toma várias dimensões, pois a vida de seu companheiro de trabalho pode ser uma referência para a sua. Quando alguém é promovido ou até demitido, podemos sofrer diretamente o impacto em nossa carreira, e isso é uma realidade! Mas isso não deveria despertar, nos profissionais, uma demasiada necessidade de se preocupar com a vida do outro a ponto dessa preocupação transformá-los em grandes e incansáveis “profissionais da fofoca”.

Percebo que um dos pontos motivadores dessa tendência é a liderança, pois, ora por omissão, ora por envolvimento exagerado, o líder permite a propagação dessa “epidemia”.

Algumas empresas possuem sistemas eficazes de comunicação interna, com isso tendem a ser menos afetadas por fofocas. Contudo outras permitem que a famosa “rádio corredor” faça parte de sua cultura organizacional.

O mais interessante, embora triste, é que a origem das informações, ainda que falsas, fica protegida, ou seja, o “fofoqueiro-mor”, tal como uma abelha rainha, reina extremamente protegido pelos companheiros da mesma espécie. O problema se agrava quando as lideranças são protagonistas dessa nova “profissão”.

Precisamos nos envolver com o desenvolvimento organizacional interno e, para que isso ocorra, é necessário ficar por dentro das atividades e funções de nossos colegas. Mas a linha entre o que é importante para o desenvolvimento da empresa e das pessoas e o que pertence unicamente à vida dos outros deve ser clara.

A fofoca funciona como um laço, quanto mais você se envolve, mais fica difícil se libertar; a fofoca nos contamina como qualquer outra coisa nociva do mundo, envolver-se é fácil.

Como na vida pessoal, no trabalho também teremos grandes consequências negativas se participarmos desse tipo de prática, já que apenas colhemos o que plantamos. Portanto deixo algumas dicas.

Desejo me dirigir, primeiramente, ao empregador da empresa: observe com mais cuidado quem são os líderes que estão à frente de sua equipe. Líderes devem ser referência, mas de bons princípios! Agora, dirijo-me a você, líder: evite relacionamentos fora da organização. As festinhas e happy hours com seus pares e subordinados podem ser uma cilada. São nesses ambientes que surgem os “embriões” das fofocas. Esteja longe!

Também deixo algo aos profissionais de base: se você ainda está na base da hierarquia, significa que está em desenvolvimento profissional, por isso você, de todos, é o que possui menor imunidade, ou seja, será o primeiro a se prejudicar quando a “bomba estourar”. Zele por sua carreira! Ela é única e inteiramente sua, portanto fique do lado da verdade e da ética profissional. E, para você, meu caro(a) leitor(a), deixo uma pergunta: de que lado você está?

Prof. Edison Andrades é sócio da Reciclare Consultoria & Treinamento.

Site: www.reciclareconsultoria.com.br ; e-mail: edison@reciclareconsultoria.com.br

.

Comentários

Mais Lidas