Tudo Sobre

Concurso Estágio

Emprego efetivo ou estágio: qual caminho seguir?

Segundo especialista, quando o emprego não tem nada a ver com o curso, o jovem deve considerar migrar para um estágio. Veja diferenças entre estagiar em empresas de pequeno e grande portes



Renan Abbade
Publicado em 01/07/2015, às 16h03

É comum, muitas vezes para ajudar a pagar a faculdade, o estudante trabalhar enquanto realiza seu curso. No entanto, é nesse momento que surgem diversas oportunidades de estágio, importantes para a formação universitária. Quando isso acontece, o que fazer? Quando vale a pena deixar o emprego para investir no estágio? O que o estudante deve analisar nessa situação?
Quem ajuda a responder esses questionamentos é Eraldo Vieira, especialista em recrutamento de estagiários do portal Webestágios.“Vamos partir do princípio de um jovem com 18 anos de idade que trabalha com carteira assinada em um supermercado e passou no vestibular de ciências contábeis. Agora esse jovem vai avaliar se deve continuar no seu emprego atual ou se deve partir para um estágio onde ele vai ter a oportunidade de aprender mais sobre sua futura formação. Ele deve avaliar se em seu atual emprego ele terá chance de crescimento profissional, de mudar para a área financeira. E tem a questão do horário do trabalho, que em muitas vezes atrapalha o seu horário de aula. Se a resposta for de que não terá chance de crescimento, ele já deve partir para um estágio”.
Há casos também em que o estudante trabalha para ajudar a família. Nesse sentido, a família acaba participando da escolha. “Hoje a realidade é isso mesmo, muitos jovens começam a trabalhar cedo para ajudar na renda familiar, além de ter que guardar uma parte para os estudos, no caso dos que pretendem ingressar em um curso superior, técnico etc. Como esse jovem trabalha para ajudar na renda familiar ele deve, sim, consultar seus pais ou responsáveis sobre a ideia de sair do seu emprego fixo para um estágio, onde a sua nova renda poderá ser inferior à atual. Isso deve ser bem avaliado para depois não se arrepender no âmbito financeiro, pois se for no âmbito profissional e no crescimento de carreira, é válida a troca”.
Em alguns casos, o estudante acaba trocando o estágio, mesmo que na sua área de atuação, por um trabalho melhor remunerado, saindo de sua área. “É muito comum isso. Pois muitos estudantes dependem do seu próprio ganho, seja ele através do estágio ou do emprego de carteira assinada para pagar seus estudos e se manter no dia a dia. Diante disso, uma oferta de emprego com um salário maior vai influenciar na sua decisão, mesmo que esse emprego não venha a agregar nada com sua formação acadêmica. O estudante deve avaliar se é isso mesmo que ele quer para seu futuro ou se ele pretende se dedicar a sua formação”.
E do ponto de vista de carreira, o estágio pode ser mais útil, mais bem visto pelo recrutador do que o trabalho, mesmo que seja na área do curso? Vieira entende que sim. “Os estágios são bem vistos tanto no universo das consultorias que realizam o recrutamento e seleção, quanto para os empregadores, pois demostram que este candidato buscou se desenvolver, aprimorar-se em relação a sua escolha profissional. Quando ele já trabalha, mas não em sua área de estudo, é importante verificar o porquê ele se manteve nesta situação, se isso ocorreu por uma necessidade financeira ou mesmo por um comodismo. O estágio é um ‘treino’ para este futuro profissional, proporciona o exercício e a ampliação da teoria acadêmica na vivencia da prática, e quando isso ocorre o empregador acaba retendo este profissional. Alguns empregadores optam pelos estagiários no início de carreira, pois sabem que estes têm mais facilidade de adaptação dentro das empresas”.
Vieira completa: “o estágio é a oportunidade de o estudante colocar na prática as teorias aprendidas em sala de aula, descobrir seu potencial e confirmar se aquela é realmente a profissão certa. Vale a pena ganhar um pouco menos durante algum tempo, mas em troca adquirir conhecimento”.

Estagiar em uma empresa de grande ou de pequeno porte?

Os estudantes podem ter dúvidas também em relação à qual é a melhor empresa para estagiar: a pequena ou a grande. Para esse questionamento, Eraldo Vieira entende que “antes de tomar qualquer decisão, é indicado que a pessoa faça uma avaliação dos pós e contras do porte das empresas, além de definir qual é seu objetivo de carreira. O profissional sempre deve avaliar a vaga e entender qual é o perfil solicitado pela empresa, além de ter bem claro qual a sua perspectiva de carreira”.
Vantagens e desvantagens da empresa de pequeno porteVieira acrescenta que há vantagens e desvantagens tanto nas empresas maiores como nas menores. Uma das vantagens de trabalhar em uma empresa pequena é que o profissional terá oportunidade de conhecer de maneira mais ampla os processos, o que pode ser considerado um grande aprendizado para o jovem.
“Esse profissional vai exercer mais funções e ter mais contatos com outras áreas. O contato com o gestor responsável vai ser mais direto, o que pode aumentar a visibilidade”, afirma Vieira.
Ainda de acordo com o especialista, nas empresas de menor porte, os profissionais podem arriscar novos processos e sugestões, já que a flexibilidade é maior, ao comparar com uma grande empresa.
Sobre as desvantagens das companhias menores, Vieira aponta que, como nem sempre o papel de cada profissional está bem estabelecido na empresa, o jovem pode ficar um pouco confuso em relação ao seu trabalho. Além disso, pode haver um retardamento do crescimento da carreira, já que, como são poucos profissionais na empresa, assumir um novo cargo pode demorar um tempo maior.
Vantagens e desvantagens da empresa de grande porteA principal vantagem de atuar em uma grande empresa é que, como ela tem nome no mercado de trabalho, isso pode facilitar a conquista de outro emprego.
As grandes empresas têm planos de carreira bem estruturados, assim como os processos para desenvolver as atividades. Essas vantagens podem facilitar uma promoção e ajudar no desempenho do trabalho.
Além disso, a faixa de remuneração de um jovem profissional nestas empresas é compatível com a do mercado. “Porém, os profissionais não podem acreditar que somente as grandes empresas pagam um salário maior. Existem empresas menores, como as de médio porte, que pagam a mesma faixa salarial”, afirma Vieira, que acrescenta ainda que as oportunidades nas grandes empresas são mais atrativas devido aos benefícios oferecidos.
Em relação às desvantagens, o profissional que atua em uma grande empresa torna-se especialista em determinado assunto, o que pode ser negativo, caso um dia ele busque um emprego que solicite um profissional mais flexível e que saiba atuar em diversas frentes.
Assim como os profissionais mais experientes, aqueles que estão no começo da carreira podem ter dificuldades ao trocar de emprego.
A pessoa que trabalhou em uma empresa de grande porte, ao atuar em uma empresa pequena, pode encontrar dificuldades com a informalidade dos processos. “O profissional pode ainda ficar inseguro ao tomar alguma decisão, pois na grande empresa ele tinha um respaldo maior”, afirma Vieira.
Já os profissionais que atuaram em pequenas empresas e estão indo trabalhar em uma grande podem ter dificuldade em lidar com a maior pressão, com a entrega de prazos e com o cumprimento de metas.

Diferenças entre estágio e trabalho

Direitos

Estágio

Trabalho

FGTS

Não

Sim

Férias

Sim

Sim

1/3 férias

Não

Sim

13º salário

Não

Sim

Aviso prévio indenizado

Não

Sim

+ Resumo do Concurso Estágio

Estágio
Vagas: Não definido
Taxa de inscrição: Não definido
Cargos: Não definido
Áreas de Atuação: Não definido
Escolaridade: Não definido
Faixa de salário:
Organizadora: O próprio órgão

+ Agenda do Concurso

30/06/2016 Divulgação do Resultado Adicionar no Google Agenda

Comentários

Mais Lidas