MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Homem processa empresa por não ser CLT, perde e tem que pagar mais R$ 800 mil à ela

Um prestador de serviço que pediu reconhecimento de vínculo empregatício e justiça gratuita à empresa onde trabalhava teve os pedidos negados e foi condenado por litigância de má-fé

Homem processa empresa por não ser CLT, perde e tem que pagar mais R$ 800 mil à ela
Divulgação
Victor Meira

Victor Meira

victor@jcconcursos.com.br

Publicado em 05/01/2024, às 21h02

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Um caso inusitado chamou a atenção na Justiça do Trabalho do Espírito Santo. Um prestador de serviço que recebia R$ 137 mil mensais da empresa onde trabalhava entrou com uma ação pedindo o reconhecimento de vínculo empregatício e o benefício da justiça gratuita. No entanto, ele teve os pedidos negados e ainda foi condenado a pagar R$ 813 mil à empresa, por litigância de má-fé e honorários advocatícios.

A decisão foi dada pelo juiz Geraldo Rudio Wandenkolken, da 1ª Vara do Trabalho de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do estado, mas ainda cabe recurso por parte do condenado.

O autor da ação, que é empresário, atuava como diretor comercial da empresa, que fabrica e comercializa cimento. Ele era responsável pelas vendas em todo o Brasil e liderava uma equipe. 

Ele alegou que trabalhava com exclusividade e subordinação para a empresa, com horário fixo, sala própria e crachá.

O homem pediu o reconhecimento de vínculo de emprego de 1997 a 2022, com o pagamento de todas as verbas rescisórias, férias, 13° salários, FGTS, entre outras. O valor total da causa seria de R$ 3,2 milhões.

Para pedir a justiça gratuita, ele afirmou estar desempregado e sem condições de demandar em juízo sem prejudicar seu sustento e de seus familiares. No entanto, ele mesmo declarou na petição inicial e no depoimento que recebia R$ 137 mil mensais da empresa.

A empresa, por sua vez, negou que o autor fosse seu empregado, mas sim um prestador de serviço autônomo, sem exclusividade e pessoalidade. A empresa também informou que o autor é sócio de outras empresas que atuam no país, tendo atuado no mercado na qualidade de empresário.

O juiz analisou as provas e os documentos apresentados pelas partes e negou o pedido de vínculo de emprego, considerando lícita a terceirização. Ele também indeferiu a justiça gratuita, pois o autor é um grande empresário, com renda muito superior ao limite estabelecido pela lei, que é de 40% do teto dos benefícios do INSS, equivalente a R$ 3 mil.

Além disso, o juiz condenou o autor por litigância de má-fé, por entender que ele deduziu pretensão contra texto expresso de lei ou fato incontroverso, alterou a verdade dos fatos e tentou usar o processo para conseguir objetivo ilegal. Ele nunca declarou à Receita Federal que era empregado da empresa, mas sim que mantinha relações comerciais com ela e com outras do mesmo grupo econômico, com grandes lucros.

O valor da condenação foi de R$ 325 mil por litigância de má-fé, em favor da empresa, e R$ 487,9 mil em honorários advocatícios, para a parte contrária. O juiz arbitrou 10% e 15% do valor da causa, respectivamente, para calcular esses valores.

+++Acompanhe as principais informações sobre o mercado de trabalho no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google Newsempregosestágiostrainees

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.