Sobram vagas em TI e faltam profissionais

Empresas têm tido dificuldade para encontrar candidatos com capacidade de colocar em prática o conhecimento

Redação
Publicado em 04/07/2008, às 11h31

O mercado de tecnologia tem como principal característica a velocidade de mudanças. Todo dia aparece um equipamento diferente, uma metodologia diferente e mesmo as previsões mercadológicas mudam.

Por isso, o profissional que trabalha ou pretende atuar nesse segmento tem que se preocupar em atualizar-se nessa carreira. O relacionamento pessoal também tem papel importante. Entender o negócio do cliente é essencial para ter visão global e propor soluções coerentes e corretas e aumentar a demanda de serviços na área de TI. O profissional deve conhecer a viabilidade financeira de cada projeto a ser desenvolvido.

O segmento de Desenvolvimento de softwares tem lugar garantido no mercado de TI, pois as empresas precisam se manter atualizadas e operando com grande eficiência, inteligência e personalidade.

Softwares de busca e softwares de business intelligence são fundamentais para as empresas, que procuram diferencial competitivo e estratégico.

Para o analista de TI, Régis de Azevedo, Desenvolvimento de Softwares é a área mais promissora em tecnologia. "Sem dúvida que é o setor mais promissor na atualidade. É um trabalho importante, principalmente porque as empresas buscam, cada vez mais, reduzir custos e aumentar a produtividade. Outro segmento que ainda tem muito a crescer é o de desenvolvimento de sites", analisa. Já para Moskovitz, as áreas mais promissoras dentro do mercado de TI são as de Segurança e Arquitetura.

"O profissional Sênior é mais caro para as empresas. Então, para tirar de outra empresa é mais difícil. Por isso, a CPM Braxis prefere investir em treinamento de recém-formados e mesmo de estagiários", afirma o gerente de RH.

Segundo Ullmann, dada à dificuldade de encontrar profissionais, as empresas estão contratando gente de outras áreas, além de tecnologia. "Desde que o candidato tenha aptidão, podemos treiná-lo, independentemente de ser ou não da área de TI", diz.

Para Silva, muitos profissionais deste mercado têm seguido a tendência de trabalhar como Consultores, atuando como pessoas jurídicas (PJ). O coordenador afirma que quem é registrado pela CLT acaba tendo preservadas algumas garantias previstas em lei, como vale-transporte, por exemplo, mas nada impede que os profissionais autônomos negociem estes tipos de benefícios no momento em que estão fechando contrato. "Basta tentar incorporá-los no instante em que se fecha contrato com o empregador", orienta o educador.

Já para Moskovitz, a opção por contratar profissionais pela CLT ou como PJs depende muito de empresa para empresa. "Falando de empresas prestadoras de serviços, há segmentos em que é exigência atender somente com profissionais celetistas", afirma.

Remuneração

Silva estima que um profissional da área, em início de carreira, receba salários que giram em torno de R$ 3 mil a R$ 4 mil mensais. Já para o diretor da BSA, os valores estão vinculados à especialização do profissional. "Tenho um aluno que está prestes a concluir seu curso, mas vai interrompê-lo porque recebeu uma proposta de emprego na Bahia, para ganhar cerca de R$ 6 mil mensais. É que o mercado, principalmente fora de São Paulo, está com muita falta de profissionais", relata Silva.

Vagas abertas

A pedido do Jornal dos Concursos & Empregos, o gerente de Recrutamento e Seleção da CPM Braxis disponibiliza uma relação contendo algumas das vagas de emprego em TI abertas na empresa, no momento. Confira, a lista no quadro abaixo.

Aqueles que se enquadrem no perfil exigido, de acordo com a função, deverão cadastrar-se no site www.cpmbraxis.com (link "Carreira"). A meta da CPM Braxis é fechar o ano com 2,5 mil contratações.

Além dessas oportunidades destacadas, também divulgamos mais 450 vagas de emprego em TI nesta semana. Confira a reportagem aqui.

Para informações sobre a formação em TI, clique aqui.
Para mais detalhes sobre o perfil e as áreas de atuação do profissional, acesse este link.


Cristiane Navarro Vaz 
e  Rogerio Jovaneli

Comentários

Mais Lidas