Reprovação em massa. De quem é a culpa?

Artigo sobre reprovação no último Exame de Ordem da OAB (2010.3).

Redação
Publicado em 01/06/2011, às 11h18

Foi no último exame da OAB (2010.3), organizado pela FGV, que aconteceu um dos menores índices de aprovação dos candidatos: apenas 11,09%. Esse pode ser o menor índice de aproveitamento de toda história. Se computarmos os resultados de 2008 para cá, com certeza, foi o menor patamar de aprovação.  

Exame

Inscritos

Aprovados 1ª fase preliminar

% de aprovação

Organizadora

2010.3

106.825

22.968

21,05%

FGV

Exame

Inscritos

Aprovados 2ª fase preliminar

% de aprovação

Organizadora

2010.3

106.825

11.851

11,09%

FGV

Exame

Inscritos

Aprovados no Resultado Final (2ª fase pós recurso)

% de aprovação

Organizadora

2010.2

106.041

16.974

16%

FGV

2010.1

95.764

13.435

14,03%

Cespe

2009.3

83.524

13.781

16,50%

Cespe

2009.2

70.094

16.507

24,45%

Cespe

2009.1

58.761

11.702

19,48%

Cespe

2008.3

47.521

12.659

27,35%

Cespe

2008.2

39.732

11.668

30,22%

Cespe

2008.1

39.357

11.063

28,87%

Cespe

A média (global) de aproveitamento nos últimos nove exames realizados, de 2008 a 2010, é de 20,88%. O último resultado, então, foi o mais decepcionante porque atingiu só (um pouco mais que a) metade da média. De quem é a culpa por tanta reprovação?

É comum, quando buscamos culpados para os graves problemas nacionais, atribuir responsabilidade ao “sistema” (que não tem CPF nem CNPJ). As reprovações massivas no exame da OAB constituem, no entanto, exceção, porque aqui todo mundo atribui culpa a todo mundo (“Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também” – Millôr Fernandes, brasileiro, escritor e humorista).  

As OABs (nacional e seccionais) culpam a qualidade do ensino ministrado nas faculdades (em geral seria muito insuficiente, dizem tais entidades de classe). As faculdades dizem que o aluno chega com nível muito baixo (a culpa, então, seria da sua formação escolar precedente muito precária) e, além disso, durante o curso se dedicam muito pouco aos estudos.  

Os candidatos, por seu turno, culpam o nível e, às vezes, (na visão deles) a (des)organização das provas (agora de responsabilidade da FVG) e nisso também haveria culpa da OAB (que estaria fazendo reserva de mercado). Também culpam o baixo nível didático e pedagógico dos professores de direito (geralmente não qualificados academicamente, dizem as entidades de classe), que culpam as faculdades pela sua baixa remuneração. Muitos alunos culpam ainda o MEC por não fiscalizar bem as faculdades (assim como a qualificação dos professores).

De quem é a culpa? Tal como acontece nos acidentes de avião, quase sempre concorre uma série de fatores. A reprovação massiva na OAB não teria, então, um único culpado. Todos contribuiriam com sua parcela de responsabilidade (“Existe, sem dúvida, um remédio para cada culpa: reconhecê-la” – Franz Grillparzer, austríaco, poeta).

Mas esse negócio de achar culpado para essa tragédia fica bem para o mundo jornalístico ou institucional. Do ponto de vista do candidato que está se preparando para o próximo exame de ordem (que será em julho, provavelmente) vai nossa dica: a prova está mesmo difícil e isso exige muito mais preparação que antes.

Não podemos nos iludir nem iludir os outros. Mas obstáculo existe para ser vencido. O melhor é contar quantos dias faltam para a prova, ver todo o programa, mergulhar nos estudos e partir para a vitória (“Montanhas não podem ser vencidas, exceto por caminhos sinuosos” – Johann Goethe, alemão, poeta e escritor).

Por Luiz Flávio Gomes - Rede LFG

Informações da assessoria de imprensa da LFG

Veja também

Procuradoria/SP: Encerram as inscrições para estágio jurídico

OAB/SP: Crime nos meios eletrônicos é tema de seminário

Comentários

Mais Lidas