MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Aluguéis residenciais subiram 16,16% em 2023. Veja ranking de cidades com aluguel mais caro

A explosão nos preços dos aluguéis foi notada pela primeira vez em março de 2023. Analistas acreditam que o movimento de aumento de aluguéis deve esfriar em 2024

Analistas acreditam que o movimento de aumento de aluguéis deve esfriar em 2024
Analistas acreditam que o movimento de aumento de aluguéis deve esfriar em 2024 - Divulgação/JC Concursos
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 16/01/2024, às 22h11

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Os novos contratos de aluguéis residenciais no Brasil experimentaram um aumento médio de 16,16% em 2023, conforme dados do Índice FipeZAP divulgados nesta terça-feira (16). Embora o percentual esteja ligeiramente abaixo do registrado em 2022, quando o avanço foi de 16,55%, representa o segundo ano consecutivo de significativo crescimento e o maior em 11 anos.

O aumento anual dos aluguéis superou em mais que o triplo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, que teve um avanço de 4,62% no mesmo período. Com isso, a alta real dos novos aluguéis, descontada a inflação, atingiu 11,54%.

A explosão nos preços dos aluguéis foi notada pela primeira vez em março de 2023, conforme reportado pelo g1, impulsionada por negociações mais flexíveis durante a pandemia de Covid-19, bem como pela variação dos indexadores de aluguel e o retorno gradual ao trabalho presencial.

🏡 Analistas acreditam que o movimento de aumento de aluguéis deve esfriar em 2024

O FipeZAP monitora o preço médio de locação de apartamentos prontos em 25 cidades brasileiras, baseando-se em anúncios veiculados na internet. O levantamento revela que todas as cidades monitoradas registraram uma alta real em 2023.

Goiânia liderou entre as capitais, com um aumento de 37,28%, seguida por Florianópolis (27,68%), Fortaleza (21,95%) e Curitiba (20,70%). O preço médio dos novos contratos de aluguéis para as 25 cidades foi de R$ 42,53 por metro quadrado em dezembro.

Barueri (SP) conquistou o título de cidade mais cara, com o metro quadrado custando, em média, R$ 59,06. Em São Paulo (SP), que lidera entre as capitais, o valor é de R$ 51,62 por metro quadrado. Pelotas (RS) manteve o posto de cidade com o metro quadrado mais acessível, custando R$ 17,59. Confira o preço médio do aluguel por cidade (m²); dados de dezembro:

  • Barueri (SP): R$ 59,06
  • São Paulo (SP): R$ 51,62
  • Florianópolis (SC): R$ 49,81
  • Recife (PE): R$ 47,78
  • Santos (SP): R$ 45,50
  • Rio de Janeiro (RJ): R$ 45,10
  • Brasília (DF): R$ 40,57
  • São José (SC): R$ 37,88
  • São José dos Campos (SP): R$ 37,85
  • Belo Horizonte (MG): R$ 36,76
  • Curitiba (PR): R$ 36,17
  • Goiânia (GO): R$ 36,07
  • Campinas (SP): R$ 34,87
  • Praia Grande (SP): R$ 34,82
  • Santo André (SP): R$ 34,05
  • Guarulhos (SP): R$ 33,52
  • Salvador (BA): R$ 33,10
  • Porto Alegre (RS): R$ 31,67
  • São Bernardo do Campo (SP): R$ 29,76
  • Joinville (SC): R$ 28,39
  • Fortaleza (CE): R$ 28,36
  • Niterói (RJ): R$ 26,81
  • Ribeirão Preto (SP): R$ 23,82
  • São José do Rio Preto (SP): R$ 21,83
  • Pelotas (RS): R$ 17,59 - Preço médio: R$ 42,53

Uma economista do DataZAP atribui o aumento expressivo dos aluguéis à retomada do mercado de trabalho após a pandemia, contribuindo para a melhoria da renda. A recomposição de valores após negociações mais brandas durante o pico da Covid-19 também desempenhou um papel significativo no cenário atual.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.