MenuJC Concursos
Busca
Notícias | | Aulas Grátis | Provas anteriores | Simulados | Empregos | Brasil

Aumento da inflação: preço de medicamentos sofrerá reajuste a partir de abril; entenda

O aumento do preço de medicamentos desagrada a população porque os salários não acompanham o aumento da inflação; veja porcentagem

Pedro Miranda* | redacao@jcconcursos.com.br
Publicado em 25/03/2022, às 18h54 - Atualizado às 18h55

Aumento da inflação: o reajuste da vez será feito no setor de medicamentos
Aumento da inflação: o reajuste da vez será feito no setor de medicamentos - Agência Brasil
WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmail

O aumento da inflação está afetando o bolso dos brasileiros. A partir de abril novos itens devem pesar nas contas das famílias do país. O reajuste da vez será feito no setor de medicamentos. De acordo com as instituições financeiras que fazem o cálculo com base nas definições da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), a estimativa é de um aumento em cerca de 13%.

Vários fatores são levados em consideração no cálculo da previsão, mas ainda há um elemento a ser definido, por isso os 13% são apenas uma estimativa, destacou o economista de uma empresa de investimentos. O anúncio sobre o aumento dos medicamentos deve ser publicado no dia 31 de março pela CMED.

+++Aprenda em 3 minutos a tirar (ou renovar) o seu título de eleitor pela internet

Reajuste é justificado pelo aumento da inflação

A previsão é de que o reajuste total seja uma somatória de aumentos por mês até o fim do semestre. Uma situação que desagrada a população pois os salários não acompanham esses reajustes. O proprietário de uma farmácia em Taguatinga, no Distrito Federal, disse à Agência Brasil que os primeiros meses terão impacto nos clientes, pois serão pegos de surpresa com os novos preços. 

A estimativa tem alto grau de imprecisão, mas é um limite estipulado que os laboratórios optam por repassar ou não. Com isso, é possível afirmar que o reajuste é certo, mas o percentual ainda não é definitivo.

A Agência Brasil chegou a procurar a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (ABRAFARMA) mas foram informados que a instituição não se posicionaria sobre o assunto “por se tratar de uma prerrogativa governamental”.

*Estagiário sob supervisão do jornalista Jean Albuquerque

+++ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google News e acompanhe nossos destaquesSociedadeBrasil

Comentários

Voltar ao topo

+Mais Lidas

JC Concursos, o seu Jornal dos Concursos de sempre. Imparcial, independente, completo.