MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Caged: geração de vagas de trabalho formal recua em fevereiro; entenda o motivo

Nos dados do Caged, o setor de serviços, mais uma vez, foi o principal destaque na geração de empregos, enquanto que o comércio perdeu força

Caged: geração de vagas de trabalho formal recua em fevereiro; entenda o motivo
Agência Brasil
Victor Meira

Victor Meira

victor@jcconcursos.com.br

Publicado em 29/03/2023, às 16h24

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

A manutenção da taxa Selic em 13,75% já está dando reflexo na geração de empregos formais. Por conta da desaceleração econômica e pelo fechamento de vagas no comércio, a geração de emprego formal recuou em fevereiro. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, o Brasil gerou 241.785 postos de trabalho com carteira assinada foram abertos no último mês. 

+FGTS pode ser utilizado para pagar dívidas? Entenda os critérios do resgate

Em comparação com o mesmo período do ano passado, o país havia registrado 328.507 postos de trabalho, nos dados sem ajuste, que não consideram declarações entregues em atraso pelos empregadores. 

Contudo, os dados do Caged indicam que houve uma melhora em relação ao mês de dezembro, quando foram fechados 440.669 postos. Em janeiro, foram criadas 84.571.

Considerando os meses de janeiro e fevereiro, foram abertas 326.356 vagas. Esse é o resultado mais baixo para os dois primeiros meses do ano desde a reformulação do Caged, em 2020. 

Vale mencionar que em 2020 houve uma mudança de metodologia nos dados do Caged, assim não é possível comparar com dados anteriores a este ano. 

+Como efetuo o saque emergencial do FGTS? Saiba como fazer online

Entre os ramos de atividade pesquisados em fevereiro, quatro deles registraram a criação de empregos formais. Os serviços lideraram a estatística com a abertura de 164.200 postos de trabalho, seguidos pela construção civil com um acréscimo de 40.380 vagas. Em terceiro lugar, a indústria (de transformação, de extração e de outros tipos) criou 22.246 empregos.

O setor agropecuário também registrou um aumento no nível de emprego com a criação de 16.284 postos. O comércio, porém, foi o único ramo a registrar um declínio no emprego com carteira assinada no mês em questão. Pressionado pelo fechamento típico de vagas temporárias no início do ano, o setor fechou 1.325 vagas no período.

+++Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil  no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.