MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Em meio a juros e endividamento, poupança tem retirada líquida de R$ 86,82 bi em 2023

Dados divulgados pelo Banco Central nesta segunda-feira (8) apontam para retirada líquida da poupança de R$ 86,82 bilhões em 2023; Saiba mais

Notas de dinheiro
Notas de dinheiro - Canva
Jean Albuquerque

Jean Albuquerque

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 08/01/2024, às 15h45

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

As retiradas superaram os depósitos em R$ 87,82 bilhões em 2023, conforme revelado em um relatório divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (8). Pelo terceiro ano consecutivo, as contas de poupança registraram declínio em seus saldos, registrando mais saques do que depósitos em meio a um cenário de elevadas taxas de juros e persistente endividamento no país.

Em 2023, os depósitos somaram R$ 3,83 trilhões, enquanto os saques atingiram R$ 3,91 trilhões. Apenas nos meses de junho, com R$ 2,59 bilhões, e dezembro, com R$ 13,77 bilhões, houve um saldo positivo, com mais depósitos do que saques. Nos demais meses do ano, as saídas líquidas predominaram.

📲 Junte-se ao canal de notícias do JC Concursos no WhatsApp

Os rendimentos creditados nas contas de poupança alcançaram R$ 73,08 bilhões em 2023, elevando o montante total investido na poupança para R$ 983,03 bilhões.

A retirada de recursos das cadernetas ocorre em um contexto em que o endividamento das famílias no país permanece em níveis elevados. Segundo o Banco Central, o endividamento das famílias em operações de crédito atingiu 47,6% em outubro do ano passado. 

Além disso, dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) indicam que cerca de 76,6% das famílias brasileiras ainda mantêm algum nível de endividamento.

A decisão de efetuar saques na poupança também é influenciada pela manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em patamares elevados, incentivando a busca por investimentos com melhor desempenho. Atualmente, a poupança rende 6,17% ao ano mais a Taxa Referencial (TR). 

Essa regra está em vigor desde dezembro de 2021, quando a Selic ultrapassou os 8,5% ao ano. Quando os juros básicos estão abaixo desse nível, a poupança rende apenas 70% da Selic.

+ DOC sai de cena: tudo o que você precisa saber sobre o fim das transferências bancárias

Resultado negativo foi menor que 2022

O saque líquido da poupança em 2023 foi de R$ 87,82 bilhões, o segundo maior da história. O resultado é menor do que o verificado em 2022, quando a poupança teve fuga líquida de R$ 103,24 bilhões. Em 2021, a retirada líquida chegou a R$ 35,49 bilhões.

A redução do saque líquido da poupança em 2023 é uma tendência que se consolida. Em 2022, o saque líquido foi 15,3% menor do que em 2021. Em 2023, a redução foi de 15,7%.

A queda do saque líquido da poupança pode ser explicada por uma série de fatores, incluindo:

  • A redução da inflação, que reduziu a necessidade das famílias de utilizar a poupança para proteger seu dinheiro da perda de valor;
  • A redução do endividamento das famílias, que tornou mais difícil para elas sacarem dinheiro da poupança para pagar dívidas;
  • O aumento da taxa básica de juros, a Selic, estimulou a aplicação em investimentos com melhor desempenho.

A redução do saque líquido da poupança é um sinal positivo para a economia brasileira. Isso indica que as famílias estão se recuperando financeiramente e que estão buscando alternativas mais rentáveis para seus investimentos.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.