MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Escolas cívico-militares: países em ditadura como a Venezuela são os que mais aderem ao modelo

Escolas cívico-militares enfrentam problemas que podem impactar negativamente a educação. Confira cinco problemáticas relacionadas às escolas cívico-militares apontadas por especialistas

Alguns países em ditadura têm optado por adotar escolas cívico-militares
Alguns países em ditadura têm optado por adotar escolas cívico-militares - Colégio Vila Militar/Divulgação
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 13/07/2023, às 18h36 - Atualizado às 18h51

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Em muitos países ao redor do mundo, o sistema de escolas cívico-militares tem sido uma fonte de debate e controvérsia. Recentemente, foi observado que países em ditadura, como a Coreia do Norte e a Venezuela, estão entre aqueles que aderem amplamente a esse modelo de ensino. Embora esse fenômeno possa levantar questionamentos sobre os objetivos e efeitos do sistema, é importante entender o contexto específico de cada país.

A Coreia do Norte, conhecida por seu regime autoritário, implantou um sistema de escolas cívico-militares com o intuito de moldar a mentalidade dos jovens desde tenra idade, promovendo valores e ideologias do governo. Nesse modelo, os estudantes são submetidos a um currículo que enfatiza o nacionalismo, o patriotismo e a lealdade ao líder supremo. As escolas cívico-militares na Coreia do Norte são administradas em estreita colaboração com as Forças Armadas, para preparar os estudantes para o serviço militar obrigatório.

Já na Venezuela, o sistema de escolas cívico-militares também encontrou espaço durante o governo autoritário de Nicolás Maduro. Nesse contexto, o objetivo declarado foi o de promover uma educação com um forte enfoque na disciplina, na ordem e nos valores patrióticos. As escolas cívico-militares na Venezuela são administradas por uma parceria entre o Ministério da Educação e as Forças Armadas, com a participação de militares no corpo docente e na supervisão das instituições.

No entanto, é importante destacar que a adoção dessas escolas cívico-militares em países em ditadura não é amplamente consensual. Críticos argumentam que esses sistemas podem ser utilizados como ferramentas de doutrinação política e controle social, restringindo a liberdade de pensamento e a diversidade de ideias.

Além disso, há preocupações sobre o potencial impacto negativo na autonomia das instituições educacionais e na formação integral dos estudantes, que poderiam ser afetados pela ênfase excessiva na disciplina militar.

+++ Governo determina prazo para escolas cívico-militares serem substituídas pelo modelo padrão

Escolas cívico-militares enfrentam problemas que podem impactar negativamente a educação

Enquanto alguns países em ditadura têm optado por adotar escolas cívico-militares, é importante ressaltar que esse modelo não é exclusivo desses regimes. Em algumas democracias, como o Brasil, por exemplo, escolas cívico-militares também eram implementadas em determinadas regiões, com a premissa de que iria melhorar a qualidade do ensino e a disciplina nas escolas públicas.

De acordo com especialistas, as escolas cívico-militares enfrentam uma série de problemas que podem impactar negativamente a educação e o desenvolvimento dos estudantes. Alguns dos principais problemas levantados são:

1. Restrição da liberdade de pensamento: As escolas cívico-militares tendem a promover um ambiente de disciplina rígida e controle, o que pode restringir a liberdade de pensamento e a expressão de ideias divergentes. Isso pode limitar a capacidade dos estudantes de desenvolver habilidades de pensamento crítico e de questionar informações e conceitos.

2. Ênfase excessiva na disciplina militar: O foco principal das escolas cívico-militares é a disciplina militar, o que pode resultar em uma abordagem educacional unidimensional. Isso pode deixar de lado outras áreas igualmente importantes do desenvolvimento dos estudantes, como criatividade, habilidades sociais, resolução de problemas e pensamento criativo.

3. Risco de doutrinação política: Em alguns casos, as escolas cívico-militares podem ser utilizadas como ferramentas de doutrinação política, promovendo uma única ideologia ou perspectiva. Isso pode limitar a diversidade de ideias e impedir que os estudantes desenvolvam uma compreensão crítica e pluralista do mundo.

4. Impacto na autonomia das instituições educacionais: A presença militar no ambiente escolar pode afetar a autonomia das instituições educacionais e a autoridade dos educadores. A influência dos militares no currículo e na administração das escolas pode limitar a liberdade dos professores de adaptar suas aulas às necessidades e interesses dos estudantes.

5. Falta de preparo dos militares como educadores: Embora os militares possam trazer disciplina e estrutura para o ambiente escolar, nem sempre possuem a formação e o treinamento pedagógico necessários para atuar como educadores eficazes. A falta de experiência e conhecimento em métodos de ensino pode impactar a qualidade da educação oferecida nas escolas cívico-militares.

Esses problemas não são universais e podem variar conforme o contexto e a implementação específica de cada escola cívico-militar. No entanto, as preocupações destacam os possíveis desafios e limitações associados a esse modelo educacional.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.