Órgão pede concursos para 3 mil vagas

O pedido já foi encaminhado para o Ministério do Planejamento e deve ser analisado em breve.

Redação
Publicado em 20/07/2009, às 14h41

A assessoria de imprensa do Ministério da Previdência Social confirmou, na última semana, que já encaminhou ao Ministério do Planejamento o pedido de abertura de concurso para preencher 3 mil vagas no Instituto Nacional de Previdência Social (INSS). Segundo a assessoria de imprensa, se o pedido for aprovado, serão mil vagas para o cargo de perito-médico e 2 mil para as funções de analista e técnico do Seguro Social – o órgão não informou como essas ofertas serão distribuídas.

Apesar de a realização de novos concursos ser ainda uma expectativa, os interessados em uma das carreiras da autarquia federal já devem iniciar os estudos, pois os prazos de validade das últimas seleções, realizadas em 2006 (perito) e 2008 (técnico e analista), expiram em 2010. Dessa forma, o Ministério do Planejamento deve autorizar o preenchimento de novas vagas em breve.

Perito – Em 2006, o INSS publicou edital para preencher 1.500 vagas de perito-médico. As oportunidades estavam distribuídas entre todos os estados brasileiros e, para concorrer, era necessário que os candidatos tivessem concluído o curso de graduação em medicina. O salário inicial oferecido foi de R$ 3.418,21.

De acordo com o edital, são atribuições do perito-médico do INSS: realizar atividades médico-periciais, emitir parecer conclusivo quanto à capacidade laboral para fins previdenciários, inspecionar ambientes de trabalho para fins previdenciários, caracterizar invalidez para benefícios previdenciários e caracterizar incapacidade para benefícios assistenciais.

O concurso foi organizado pela Fundação Carlos Chagas e a taxa de inscrição custou R$ 80.

Os candidatos foram avaliados por provas de conhecimentos gerais (peso 1), conhecimentos específicos (peso 3) e títulos. O conteúdo programático de conhecimentos gerais era composto por língua portuguesa, regime jurídico único dos servidores públicos civis da União, código de ética e noções de informática. O de conhecimentos específicos trazia o seguinte conteúdo: medicina geral, legislação de assistência social, legislação referente ao SUS, medicina do trabalho, legislação do trabalho e legislação previdenciária.

Técnico e analista – O edital de técnico e analista do Seguro Social foi divulgado no final de 2007 e oferecia 2 mil oportunidades para as duas funções – 1.400 de técnico e 600 de analista.

Para concorrer a uma das vagas de técnico era necessário que o candidato tivesse, apenas, concluído o nível médio. O salário inicial oferecido foi de R$ 1.989,87, para exercer as seguintes atividades: proceder ao reconhecimento inicial, manutenção, recurso e revisão de direitos aos benefícios administrados pelo INSS; executar as atividades de orientação e informação, de acordo com as diretrizes estabelecidas nos atos específicos; dar suporte e apoio técnico especializado às atividades de competência do INSS.

Já dos candidatos ao cargo de analista, era exigida a graduação em qualquer área, mas também havia vagas específicas para os formados nos cursos de terapia ocupacional, psicologia, pedagogia, estatística, engenharia mecânica, engenharia elétrica, engenharia de telecomunicações, engenharia com especialização em segurança do trabalho, engenharia civil, direito, comunicação social, ciências atuariais, ciência da computação, biblioteconomia, arquivologia e arquitetura. O salário inicial oferecido foi de R$ 2.243,78.

O concurso foi organizado pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB). As inscrições custaram R$ 47 para o cargo de nível médio e R$ 56 ao de nível superior.

As provas para ambas as funções constaram de questões de conhecimentos básicos, complementares e específicos, exceto às vagas de direito, que não cobraram conhecimentos complementares dos candidatos.

Juliana Pronunciati/SP

Comentários

Mais Lidas