Quando o plano B pode virar o plano A

Os candidatos a concurso devem gastar energia estudando e devem fazer o que a maioria não faz: estudar antes do concurso ser autorizado e do edital ser publicado

Redação
Publicado em 30/05/2016, às 10h49

Muitos alunos e candidatos, em função do cenário econômico e político do Brasil, me fazem algumas perguntas. Dentre elas se haverá realmente concurso, em especial para Receita Federal, e quando devem iniciar a preparação.
Explico a eles que a seleção para servidor da Receita Federal ocorre somente por meio de concurso público e, também, que todos os anos ocorrem aposentadorias e exonerações, e que os concursos são os responsáveis pela reposição de funcionários no órgão.
Quando me fazem essas perguntas, eu faço outra a eles: “Se o edital fosse publicado hoje, você estaria preparado para uma prova de auditor-fiscal?”. 
Os candidatos a concurso devem gastar energia estudando e devem fazer o que a maioria não faz: estudar antes do concurso ser autorizado e do edital ser publicado.
Muitas pessoas querem ser funcionárias públicas, trabalhar na Receita, ter estabilidade financeira e profissional, mas não se preparam para conquistar uma vaga. Essa preparação vai muito além de investir tempo, dinheiro e energia nesse projeto. A preparação também diz respeito a você colocar isso como meta e adaptá-la à sua vida. Ela pode ser chamada, como muitos conhecem, de plano “B”.
Alguns alunos acham que precisam estar desempregados para preparar-se adequadamente para uma prova da Receita Federal. Muitos alunos fazem exatamente o contrário: trabalham e vão investindo paralelamente no plano B. O estudo e a dedicação farão o seu plano “B” tornar-se plano “A”, ou seja, ser funcionário público.
Os dois grupos de alunos, empregados e com tempo livre, têm possibilidades de serem aprovados, mas cada um só realizará seu sonho no momento que estiver devidamente preparado para a prova.A grande maioria, cerca de 70 a 80% dos candidatos aprovados nos concursos, trabalham, estudam e têm família, então a decisão de fazer o que é preciso e organização são fundamentais.
Para organizar e planejar a preparação, o candidato deve conhecer as disciplinas que são cobradas na prova, a quantidade e conteúdo das questões, os pesos de cada matéria, o mínimo de pontos por disciplina e do conjunto das provas, as regras e disciplinas da prova discursiva, dentre outros detalhes de suma importância. Essas informações não devem causar desânimo, elas servem para que a preparação ocorra de forma efetiva e, para isso, o candidato deve acreditar em si e trabalhar duro, ou seja, estudar de verdade para a realização do sonho.
Estabelecer uma rotina de estudos requer organização. Monte um cronograma e marque nele as responsabilidades pessoais e profissionais, os dias e horários dos estudos. Hoje, as opções para potencializar os estudos são diversas: existem cursos preparatórios focados na Receita Federal, apostilas, livros, aplicativos de questões e simulados. 
Todos nós temos compromissos, então é preciso que você crie formas de aproveitar todos os momentos disponíveis, inclusive no trânsito, para estudar. Reveja as prioridades e tente, por exemplo, acordar uma hora mais cedo, dormir uma hora mais tarde, almoçar em 20 minutos e estudar nesses períodos.
Você deve preparar-se para as rotinas de estudo e encarar isso como um processo alegre e divertido, e não como algo penoso. Lembre-se que é o estudo que fará você alcançar seu grande sonho de ser funcionário público.
Ser funcionário público tem diversas vantagens, como, por exemplo, a tão sonhada estabilidade financeira e profissional. Sua decisão pela Receita Federal não deve ser pautada somente pelo valor da remuneração ou pelo conjunto de benefícios, leve em consideração a qualidade de vida e o bem-estar de sua família.
Não deixe que medos e receios tomem conta de sua decisão e que minem os seus sonhos. Com paciência, calma, disciplina e discernimento você conquistará o seu espaço na carreira pública. Jaime Kwei, diretor da Central de Concursos.

Comentários

Mais Lidas