Gramaticando com a professora Sandra

Artigo da professora Sandra Ceraldi

Sandra Ceraldi
Publicado em 28/11/2014, às 16h14

AgradecimentosOs agradecimentos fazem parte da concordância nominal, pois se harmonizam com o falante, ou seja, com o emissor. Quem define a concordância desse adjetivo é o sexo de quem está agradecendo. Então, pessoas do sexo feminino devem agradecer: grata, obrigada, agradecida, já para o sexo oposto: grato, obrigado e agradecido. Veja os exemplos:Ana disse ao rapaz: obrigada.Carlos respondeu para Ana: grato.Observação: caso se queira expressar obrigado como substantivo (acompanhado de artigo ou pronome), este não deverá sofrer concordância e permanecerá no masculino singular, independente de quem esteja falando.  Ex.: Deixo o meu obrigado a todos.
Mesmo e próprioAs palavras “mesmo” e “próprio” atuam na língua portuguesa como pronomes demonstrativos de reforço, sofrendo alteração conforme o sujeito da ação. Veja: Ele mesmo entregou as chaves. (Ele próprio)Ela mesma disse a verdade. (Ela própria)Eles mesmos fizeram o concurso. (Eles próprios)Elas mesmas comeram a pizza. (Elas próprias)Observação: segundo as regras da gramática, não devemos utilizar as palavras “mesmo” e “próprio” em substituição a um pronome pessoal. Veja o erro: Eu entreguei a prova ao professor e o mesmo disse obrigado. Corrija para: Eu entreguei a prova ao professor e ele disse obrigado.
Interveio ou interviu“Interveio” é a forma correta conjugada do verbo intervir. A palavra “interviu” não existe. Como o verbo é derivado do verbo vir, deverá ser conjugado tal como este. O mesmo acontece com os verbos convir, provir e advir. Veja:O professor interveio na palestra com resultado.
Quando eu vir ou ver você?O verbo “ver”, no futuro do subjuntivo tem como formas corretas: Se eu vir, se tu vires, se ele vir, se nos virmos, se vós virdes, se eles virem. Veja:Se eu vir a professora na rua, darei o seu recado.
Vigir ou viger/ vigendo ou vigindoA grafia correta é “viger” e não “vigir”. Utilizamos quando quisermos nos referir ao ato de vigorar, de estar em execução. É um verbo defectivo, apenas conjugado quando ao g se seguirem as vogais e ou i. Ex.: A lei ainda está vigendo ainda.
Bons estudos!
Professora Sandra Ceraldi Carrasco é consultora, especialista em língua portuguesa e autora de livros e periódicos na área. Há mais de 20 anos ministra cursos e palestras com índice recorde de aprovação. Seu mais recente trabalho aborda de forma prática o Acordo Ortográfico. Atualmente é coordenadora de cursos e professora de redação oficial da Academia de Polícia de São Paulo. Contato: professora.sandracarrasco@uol.com.br.

Comentários

Mais Lidas