Como conciliar os estudos para mais de um concurso?

A escolha de fazer o concurso de uma área direciona o candidato a estudar um núcleo de matérias comuns a um cargo.

Redação
Publicado em 30/04/2015, às 12h04

Fernando Bentes

Alguns cargos públicos são comuns a várias instituições. Por isso, os concursos costumam ser agrupados em torno de áreas como a fiscal, policial, de técnicos de tribunais, advocacia pública, magistratura e outras. Quando um candidato opta por um destes campos, suas chances de aprovação aumentam, pois estuda uma vez para tentar a aprovação em várias instituições diferentes. Sendo assim, pode fazer concurso para o cargo de fiscal na Secretaria de Fazenda de São Paulo, Rio de Janeiro ou Espírito Santo.

Se preferir a função de técnico administrativo, pode fazer a prova de 27 Tribunais de Justiça (TJ) dos Estados, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) ou do Tribunal Regional Federal (TRF) de diferentes regiões do país.

A escolha de fazer o concurso de uma área direciona o candidato a estudar um núcleo de matérias comuns a um cargo. Na área policial, por exemplo, direito penal, direito processual penal e direito constitucional são importantes. Na área fiscal, direito tributário, direito administrativo e direito constitucional.

Quando uma instituição autorizar um concurso e lançar um edital, a preparação do candidato deve se alterar radicalmente. Acaba a fase do estudo generalista para uma área e começa um foco específico para aquele concurso. Neste momento, o candidato deve fazer as últimas provas daquele concurso, além de se concentrar em questões passadas da banca escolhida. Outra dica importante nesta fase de estudos é ler os livros dos membros que compõem a banca e conversar com candidatos aprovados, que podem dar dicas valiosas para o sucesso.

O problema ocorre quando o candidato não faz concurso para uma área, mas para dois cargos absolutamente diferentes, como policial e fiscal. Não recomendo que faça isso porque as suas chances de aprovação caem, ainda que possa encontrar algumas matérias semelhantes. Mais importante de tudo é o candidato escolher o tipo de vida que terá naquele cargo, se vai ter prazer em exercê-lo, se a remuneração compensa e outras decisões que passam mais pela escolha de um hábito de vida pública, do que simplesmente fazer vários concursos no desespero.

O melhor caminho é escolher uma área e estudar com afinco para ela. Ainda aconselho mais uma decisão que pode aumentar as chances de aprovação em um concurso: fazer provas para diferentes Estados e cidades. Se a pessoa tem um parente doente que precisa de assistência, se a esposa ou marido trabalham fixamente em uma cidade, esta possibilidade se reduz, pois o candidato deve se concentrar nas vagas mais próximas de sua família. Mas se esta conjuntura pessoal não atrapalha, acredito que o candidato deve ter a mente aberta para fazer prova em outras praças. Fazer concursos em diversas regiões nacionais multiplica a possibilidade de aprovação.

Fernando Bentes é diretor acadêmico do site Questões de Concursos e professor de direito constitucional da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Comentários

Mais Lidas