Busca pela qualificação aumenta procura por EAD

Especialistas garantem que em tempos de crise há uma propensão ao investimento educacional.

Redação
Publicado em 19/11/2009, às 16h14

Em tempos de crise a busca por um aperfeiçoamento na área de atuação e até mesmo a formação em um curso específico podem ser uma boa alternativa para evitar algumas preocupações, como, por exemplo, a demissão. Diante de um cenário de instabilidade há uma propensão ao investimento educacional, garantem especialistas da área.

A Educação a Distância (EAD) é uma das modalidades que nos últimos tempos vem ganhando destaque no mercado educacional pela preferência, tanto de pessoas que desejam se aprimorar ou fazer algum curso, como graduação, pós-graduação, técnico, quanto de empresas que precisam qualificar sua mão-de-obra.

De acordo com as informações publicadas na edição 2008 do Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância (AbraEAD), mais de 2,5 milhões de brasileiros estudaram por educação a distância no ano de 2007, sendo 972.826 mil alunos pelo sistema de ensino (incluindo cursos no âmbito federal e estadual) e também pelos cursos livres, como exemplo: Sebrae, Fundação Telefônica, Fundação Roberto Marinho e Fundação Bradesco.

Esses dados ilustram a crescente importância dada à EAD no país pelos estudantes, profissionais, gestores educacionais e até pelas empresas.

Eduardo Alves, diretor de relações com o mercado do Instituto Monitor, afirma que em períodos de crise a área educacional sai privilegiada, porque neste momento as companhias necessitam de mão-de-obra qualificada para se destacar dos demais no mercado. “Observamos que as empresas têm investido no Ensino a Distância para os seus colaboradores, visando a melhoria dessa mão-de-obra e a otimização de processos”, diz Alves.

Ele ainda frisa que diante desse cenário, o profissional vê a necessidade de se qualificar: “O mercado fica mais restrito pela queda das ofertas e esse aperfeiçoamento o possibilita ter mais chances”.

Vani Moreira Kenski, diretora da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), também acredita num investimento maior do setor cooperativo no Ensino a Distância.

A EAD proporciona a quem investe nessa modalidade flexibilidade, economia, otimização do tempo, entre outros. Apesar dessas vantagens, ao contrário do que se pensa, para conseguir acompanhar um curso a distância é necessário ter disciplina, dedicação e organização. “A cultura do curso a distância não é a mesma coisa do presencial, pois aqui há uma exigência maior do estudante, pelo fato de ele administrar os seus estudos”, explica Vani.

Normas

A modalidade de EAD oferece cursos, tanto no nível Federal (graduação e pós-graduação) quanto no Estadual (cursos técnicos, educação básica e educação de jovens e adultos – EJA).

No âmbito Federal, os cursos são reconhecidos pelo Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação (CNE/MEC). Já os do Estadual são credenciados pelo Conselho Estadual de Educação.

Atualmente, existem 177 instituições reconhecidas, sendo 49 particulares, 11 comunitárias e confessionárias, 48 públicas com ensino gratuito, uma pública com ensino pago, 32 que oferecem cursos de lato sensu e 36 de graduação e lato sensu.

Segundo Fábio Sanchez, coordenador do AbraEAD 2008, os cursos oficiais, que são os federais e estaduais, apresentam uma proposta pedagógica aprovada pelo MEC e pelo Conselho, respectivamente. Já a proposta dos cursos livres são elaboradas pela empresa que está oferecendo. “Os cursos do sistema de ensino (oficiais), ao seu término, disponibilizam um diploma de conclusão, reconhecido em todo o território nacional pelos critérios do MEC. Já os cursos livres também oferecem o certificado, porém não nos critérios do MEC”, explica Sanchez.

Dicas

Para quem deseja ingressar em um curso a distância, deve ficar atento a escolha que irá fazer.

Eduardo dá algumas dicas fundamentais que devem ser observadas na hora da decisão: “Em primeiro lugar é preciso ver a legalidade do curso, se é autorizada pelo respectivo órgão de ensino, o reconhecimento pela entidade de classe, a estrutura que a instituição oferece, o material didático, suporte e a idoneidade da instituição”.

A Diretora da ABED finaliza que é importante levar em consideração o objetivo de aprender.

Patrícia Magalhães/SP

Comentários

Mais Lidas