Governo descarta abrir novos concursos federais em 2019

Segundo o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, a prioridade do governo este ano continuará sendo reduzir os gastos dos cofres públicos

Da Redação
Publicado em 19/02/2019, às 10h38

Quem sonha em ingressar em um órgão federal tem bastante tempo pela frente para se preparar. Isto porque o governo não deve abrir novos concursos em 2019. A informação é do secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel (foto), responsável por liberar as autorizações. Segundo ele, a prioridade do governo este ano continuará sendo reduzir os gastos dos cofres públicos.

Em entrevista ao jornal Estado de Minas, Uebel explicou que "a ideia é fazer um trabalho antes de autorizar qualquer concurso de melhoria e eficiência operacional. Vamos saber antes se a unidade já adota o processo eletrônico, se já converteu os serviços que são ofertados de forma presencial para o formato eletrônico, se já fez um trabalho de reestruturação administrativa, reduzindo os níveis hierárquicos, unindo áreas que são pequenas. Há uma série de pontos que podem ser feitos antes de novos concursos".

O secretário antecipou, ainda, que a intenção é publicar uma medida que reduza em cerca de 21 mil o número de cargos, comissões e funções gratificadas em todos os ministérios nos primeiros 100 dias, o que pode gerar uma economia de R$ 209 milhões por ano. “Há uma série de pontos que podem ser feitos antes de novos concursos”, destaca Uebel, que aposta no trabalho de digitalização dos serviços para o ganho de eficiência e redução de despesas.

INSS

Um dos órgãos que está ganhando mais atenção neste processo de modernização é o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Uebel afirmou, inclusive, que é "um compromisso do presidente (Jair Bolsonaro) e do ministro da Economia, Paulo Guedes, transformar o INSS, para que as pessoas possam requerer os serviços e benefícios de forma digital" - hoje, já é possível realizar o agendamento dos serviços pelo site, mas o objetivo é implementar o processo seletrônico de mais serviços.

"A demanda e a complexidade do INSS são grandes. O agendamento já se faz pela internet, mas ainda precisa, na maioria dos serviços, ir pessoalmente. Evidentemente, que perícia médica e outros serviços deste tipo a pessoa terá que continuar a ir, mas tem outros, como entrega de documentos, solicitação, retirada, enfim, eles poderão ser feitos de forma digital", afirmou o secretário.

Indagado pela reportagem do Estado de Minas se essa modernização poderia significar uma possível diminuição na necessidade de recursos e pessoas, Uebel explicou que "isso é uma iniciativa que melhora a eficiência e, primeiro, melhora a experiência do cidadão, que é o foco número um. Temos que pensar primeiro nas pessoas. Com isso, conseguimos melhorar a eficiência dos processos e distribuir melhor as pessoas. Em algumas áreas, talvez, não seja necessário realizar concursos, mas, em outras áreas, dependendo da especificidade, e do perfil, continuarão sendo necessários".

Veja também: Reforma da Previdência pode agilizar abertura do concurso do INSS

Vale ressaltar que o anúncio feito pelo secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital afeta somente concursos de âmbito federal, cujas autorizações são liberadas pelo novo Ministério da Economia. 

Os concursos estaduais (PM, PC, TJ, TRT, SEFAZ etc.) e municipais (Prefeituras, Câmaras, SAAE etc.) continuam com boas perspectivas para 2019, uma vez que não dependem do aval do governo federal.

Confira a relação completa de concursos estaduais e municipais previstos para 2019
 

Comentários

Mais Lidas