MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

A cada cinco pessoas, uma já sofreu algum tipo de assédio no trabalho

A pesquisa sobre assédio no trabalho foi feita com mais de 75 mil pessoas de todo o mundo e em 121 países

Poucas pessoas conseguem falar sobre o assédio sofrido
Poucas pessoas conseguem falar sobre o assédio sofrido - Freepik
Victoria Batalha

Victoria Batalha

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 20/01/2023, às 08h04 - Atualizado às 08h13

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Já esteve em alguma situação que sofreu assédio no trabalho ou presenciou? De acordo com uma pesquisa feita pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em parceria com a Lloyd’s Register Foundation (LFR) e Gallup mostrou que a cada cinco profissionais, um já sofreu algum tipo de assédio ou violência no trabalho, seja físico, sexual ou psicológico.

O estudo foi chamado de “Experiências de Violência e Assédio no Trabalho: Primeira Pesquisa Mundial” e oferece uma visão extensa sobre o problema de maneira diferente. Além disso, é analisado o que leve uma vítima a não falar sobre o tema e sua experiência, como a vergonha, culpa e falta de confiança na instituição. 

O estudo foi divulgado em dezembro de 2022 e foi feito com entrevistas feitas em 2021, com quase 75 mil pessoas que possuíam mais de 15 anos e em 121 países e territórios. 

Vergonha de falar sobre o assunto

Segundo o relatório, a violência e assédio no trabalho são difíceis de mensurar. Apenas metade das vítimas já contaram suas experiências para outras pessoas e isso aconteceu apenas depois de sofrerem mais um episódio de assédio. 

As razões porque as pessoas se recusam a falar sobre isso são diversos, sendo “perda de tempo” ou “medo pela reputação” os motivos mais comuns. Porém, a pesquisa destacou que 60,7% das mulheres são mais propensas a falar sobre o assunto enquanto apenas 50,1% dos homens tocam no assunto.

Em todo o mundo, 17,9% dos profissionais, sejam homens ou mulheres, disseram já terem sido vítimas de algum tipo de violência e assédio psicológico durante a sua carreira. 8,5% responderam ter sofrido violência e assédio, sendo que os homens foram em maior número. Já as mulheres, 6,3% foram as que mais sofreram violência e assédio sexual.

Segunda a análise, as mulheres jovens são mais propensas a serem afetadas por essa situação em relação aos homens jovens. Principalmente se as mulheres forem migrantes, esse número pode ser dobrado. Além disso, as mulheres migrantes não costumam denunciar a violência e assédio sexual. 

Outro ponto levantado é que das cinco vítimas, três disseram que já sofreram violência e assédio no trabalho mais de uma vez e que o incidente mais recente aconteceu nos últimos cinco anos.

Siga o JC Concursos no Google News

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.