Ética no trabalho. Quase uma raridade!

Artigo do professor Edison Andrades.

Edison Andrades
Publicado em 09/01/2014, às 10h01

Por esses dias, ouvi uma frase assim: “É impossível não sonegar impostos, pois se não for feito, a conta não fecha!”. Fiquei perplexo, pois sempre imaginei que, quando uma coisa não pode ser feita de forma correta, é melhor que não seja feita!

O problema é que, quando estamos falando de ética em uma determinada área de nossa vida, devemos entender que ela deverá valer para todas as outras áreas. Ou você possui uma conduta ética ou não possui. Desejo tratar, aqui, também de outro conceito, além de “ética” falaremos de “integridade”. O que vem a ser isso?

“Integridade vem do latim integritate, significa qualidade de alguém ou de algo que é íntegro, de conduta reta, pessoa de honra, ética, educada, imparcial, brioso, pundonoroso, cuja natureza de ação nos dá uma imagem de inocência, pureza ou castidade, o que é íntegro, é justo e perfeito, é puro de alma e de espírito.” (Wikipédia).

Ser íntegro pode estar ao nosso alcance? Afirmo que sim. Saibam que somente provaremos nossa integridade e ética na vida mediante as adversidades. Sim, as pessoas tendem a andar num caminho reto geralmente quando tudo está bem. Mas, quando “a coisa aperta”, como fica?

Vejo que o ambiente de trabalho é um dos maiores laboratórios para exercitarmos nossa conduta ética, pois tudo o que leva os homens a se corromperem geralmente está ligado a três fatores: poder, fama e dinheiro. Veja:

O poder nos põe à prova no relacionamento com o próximo, principalmente com os subordinados. Tem gente que usa, como degrau para expandir seu poder, o pescoço dos outros.

A fama mexe com nossa vaidade. Vaidade a qualquer custo pode corromper inclusive seu caráter. Cuidado! Com a busca incessante do sucesso corremos o risco de destruir outros valores.

O dinheiro vem apenas para ilustrar e patrocinar nossos caprichos. Aqueles que o detêm, poderão vender sua alma para jamais perdê-lo. Quem não o tem, poderá abrir mão de sua alma para adquiri-lo.

Felizmente, existem pessoas que lidam bem com esses fatores. Você já parou para refletir sobre o fato de que, o tempo todo, somos ameaçados de morte? A morte de nossa integridade! Essa ameaça vem em forma de pequenas atitudes.

Somos capazes de destronar um presidente da república, mas não damos nosso lugar no ônibus a uma pessoa mais necessitada. Criticamos um membro político que extorquiu dinheiro público, mas compramos artigos falsificados.

Observe sua integridade dentro e fora do ambiente corporativo e verifique se suas atitudes estão focadas no que você julga ser ético. Quem perde esse foco perde também sua integridade.

Prof. Edison Andrades é sócio da Reciclare Treinamento. Facebook.com/professor.edison.andrades

Comentários

Mais Lidas