Shoppings preveem aumento de 28% na contratação de temporários

Os novos empregos deverão atender à demanda dos shoppings com a chegada das festas de fim de ano, como Dia das Crianças, Black Friday e Natal

Douglas Terenciano | douglas@jcconcursos.com.br
Publicado em 11/10/2019, às 13h44 - Atualizado às 13h48

Vagas temporarias
Divulgação

Quem estiver em busca de uma oportunidade no mercado de trabalho é bom ficar de olho no Dia das Crianças, Black Friday e Natal, eventos que normalmente elevam o número de ofertas de vagas no comércio e varejo. De acordo com dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), as contratações de temporários para o último trimestre do ano devem aumentar 28% em comparação com o mesmo período de 2018.

Os novos empregos deverão atender à demanda dos shoppings com a chegada das festas de fim de ano. A pesquisa também apontou que as categorias que deverão alavancar as contratações são lojas de calçados (65%), vestuários (62%) e brinquedos (57%).

Para o presidente da Abrasce, Glauco Humai, os dados demonstram o otimismo do setor para os três últimos meses do ano, em especial para importantes datas comemorativas do varejo. “Inflação controlada, ligeira queda nos índices de desemprego, aumento do volume de crédito, ao lado dos saques dos recursos do FGTS, atuam positivamente sobre a confiança do consumidor e sobre o consumo das famílias. Este cenário só reforça a trajetória ascendente que vem sendo apresentada pelo setor ao longo do ano”, conclui o executivo.

Otimismo: vendas crescem em agosto

O otimismo do setor na reta final de 2019 acompanha os resultados positivos de vendas do segundo semestre. Em agosto, a receita de vendas dos shoppings cresceu 5,7%, em comparação com o mesmo período do ano passado. O acumulado do ano, de janeiro a agosto, soma 8,3% de crescimento em relação ao mesmo período de 2018. Os dados são do Índice Cielo de Varejo em Shopping Centers - Abrasce (ICVS-Abrasce).

No mês analisado, o destaque foi para a região Norte, que passou dos 8,2% de receita de vendas em julho para 13,2% em agosto. Em seguida, as regiões com maior índice de vendas foram: Sudeste (6,6%), Centro-Oeste (5,2%), Nordeste (4,9%) e Sul (3,7%). O ticket médio chegou a R$ 97,70, número 40% maior em comparação com as lojas de rua.

Como fazer um currículo atrativo

Muitos candidatos são vetados para uma vaga de emprego, estágio ou trainee muito antes de chegar na entrevista com o recrutador. Um dos motivos mais comuns para essa desclassificação prematura é um currículo pouco atrativo. Pensando nisso, selecionamos algumas dicas para ajudá-lo a ter um currículo vencedor.

Um resumo conciso de suas qualificações e experiências pessoais, abaixo das suas informações de contato, oferece aos empregadores uma visualização rápida e resumida de suas principais habilidades e ambições de trabalho. Geralmente, é o primeiro lugar que o recrutador olha quando pega um currículo na mão, portanto, detalhe suas realizações e qualificações de maneira objetiva.

Outra dica é corresponder a descrição da oportunidade, tentando utilizar adjetivos que sejam semelhantes aos utilizados no anúncio da vaga. Por exemplo, se o empregador dá prioridade para alguém com “capacidade de liderança eficaz”, certifique-se de demonstrar isso na primeira parte de seu currículo, utilizando o espaço destinado ao resumo profissional e características pessoais.

Além disso, não adianta enfatizar seus triunfos profissionais no currículo se você não terá como comprová-los posteriormente. Ao listar suas realizações, a recomendação é ter em mente que o que realmente impressiona os empregadores são os números. Exemplificando, se o candidato puder ilustrar suas conquistas com fatos e números, ou seja, descrever o quanto de receita que trouxe para o negócio naquele ano ou como clientes aumentaram seu investimento na marca, faça com objetividade.

Dicas para entrevista de emprego

O desafio de superar os demais concorrentes durante uma entrevista de emprego fica cada vez mais acirrado. Quem está fora do mercado de trabalho por um longo período tende a sentir ainda mais esse peso, já que é comum afetar a autoestima e a confiança desses profissionais.

Normalmente, a insegurança diante dos questionamentos de um recrutador é grande, especialmente na hora de explicar os motivos de estar tanto tempo fora do mercado. Ter uma postura otimista e transparência a respeito das dificuldades de recolocação pode ajudar a conquistar o novo posto, mas também é fundamental deixar claro que os meses parados não foram desperdiçados. Ao contrário, o tempo foi usado para se reciclar, fazer cursos, aprender e voltar ao trabalho ainda mais preparado do que antes. É essencial que o candidato não deixe o desânimo, o medo e a insegurança predominar, pois pode afetar seu desempenho durante a entrevista ou dinâmica de grupo.

O trabalhador deve ser transparente e franco com relação ao momento vivido, mas, ao mesmo tempo, mostrar-se confiante e seguro de que está pronto para dar o melhor de si na nova oportunidade.

A instabilidade econômica do país faz com que muitas empresas cortem custos e, com isso, bons profissionais perdem seus postos. É importante analisar o campo de atuação em que busca uma vaga para observar as possibilidades. Lembre-se: cada setor/área tem uma característica, com maior ou menor velocidade de recolocação, mesmo nos tempos de crise.

Trabalho temporário vale a pena?

empregos

Comentários

Mais Lidas