Trabalhos temporários podem se tornar efetivos

Natal é a melhor época para o comércio e indústria no país. Estima-se que 30 mil vagas temporárias serão abertas este ano

Renan Abbade
Publicado em 31/10/2014, às 12h56

Neste fim de ano, as empresas começarão a contratar funcionários temporários um pouco mais tarde, em relação aos anos anteriores, por conta das eleições. Faltando pouco menos de dois meses para o Natal, as vagas já estão sendo disputadas. De acordo com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), a indústria costuma contratar 30% da mão de obra temporária nessa época do ano – desta vez, a expectativa é que sejam abertas 30.000 vagas.

Após as festas de fim de ano, esses funcionários contratados temporariamente não serão mais necessários. No entanto, estima-se que entre 10% e 15% dos trabalhadores serão efetivados. Alexandre Slivnik, autor dos livros “O Poder da Atitude” e “O Poder de Ser Você” e especialista em desenvolvimento pessoal e profissional, afirma que fazer parte desse contingente está ao alcance de todos, desde que os profissionais aproveitem seus atributos positivos para demonstrar comprometimento, o que irá agregar valor à organização mesmo depois do término do contrato.

Muitas das vagas temporárias serão preenchidas por pessoas que querem aumentar o orçamento para o Natal e o Ano Novo. Para os que estão buscando se realocar no mercado de trabalho, é também a chance de mostrar trabalho e ser efetivado na vaga que, a princípio, seria temporária. Slivnik acredita que, para que isso aconteça, é necessário fazer um atendimento extraordinário e oferecer um serviço de qualidade superior ao que o cliente espera.

“No fim do ano, a venda no comércio cresce cerca de 30% em relação a um mês normal, por causa da demanda. Um funcionário temporário nesse setor que se mostra motivado, presta um atendimento excepcional, sabe ouvir os clientes e entender suas necessidades, sempre terá destaque e poderá se tornar funcionário efetivo da empresa”, completa Alexandre.

Nessa época, as lojas ficam mais cheias e não falta trabalho. “Para que o colaborador se sobressaia, além do que já foi dito, é necessário prezar por pontualidade e ter muita disposição, pois as compras de Natal coincidem com o recebimento do décimo terceiro, o que torna o comércio um pouco estressante”, alerta Alexandre. Força de vontade e motivação são peças-chave para a contratação no fim do contrato temporário, pois funcionários com essas e outras características positivas sempre se destacam.

O comércio gera 70% das vagas temporárias. Os outros 30% ficam com as indústrias. Os destaques são os setores de vestuário e supermercados, onde se concentram mais oportunidades. “Ainda dá tempo de as pessoas que estão procurando aumentar a renda neste fim de ano buscarem uma oportunidade temporária, que pode virar emprego fixo. Sempre focando no desenvolvimento pessoal e profissional para se tornar um profissional extraordinário e sempre disposto a aprender e resolver os problemas dos clientes; se possível, antes de eles acontecerem”, finaliza Alexandre Slivinik.

Comentários

Mais Lidas