MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Alerta de chuva forte e rajada de vento para 13 estados; Veja quais

Confira medidas de segurança indicadas pela Defesa Civil Nacional para evitar os impactos catastróficos que podem ser desencadeados pelas chuvas fortes

Pessoa anda em rua alagada por chuva forte
Pessoa anda em rua alagada por chuva forte - Divulgação/Agência Brasil
Mylena Lira

Mylena Lira

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 24/01/2024, às 20h52

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um novo alerta laranja para 12 estados e o Distrito Federal devido à previsão de chuva forte e rajada de vento, representando um perigo iminente para algumas localidades entre esta quarta-feira (24) e a próxima sexta-feira (26) pela manhã.

Está prevista uma quantidade de chuva variando entre 50 e 100 mm/dia, acompanhada por ventos de alta intensidade, atingindo velocidades entre 60-100 km/h. Diante disso, existe a possibilidade de ocorrência de cortes de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas.

O Inmet aconselha a população a evitar se abrigar debaixo de árvores durante rajadas de vento, pois há risco de queda e descargas elétricas. Além disso, recomenda-se não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda.

Caso seja viável, o Inmet sugere o desligamento preventivo de aparelhos elétricos e do quadro geral de energia. Informações adicionais podem ser obtidas junto à Defesa Civil do seu estado, através do telefone 199, ou entrando em contato com o Corpo de Bombeiros pelo número 193.

Chuva forte: regiões em alerta

Segundo o Inmet, as áreas afetadas serão:

  • Leste Goiano
  • Centro Sul Baiano
  • Vale São-Franciscano da Bahia
  • Ocidental do Tocantins
  • Sudeste Piauiense
  • Vale do Rio Doce
  • São Francisco Pernambucano
  • Sudeste Paraense
  • Nordeste Mato-grossense
  • Noroeste Espírito-santense
  • Centro Norte Baiano
  • Vale do Mucuri
  • Norte de Minas
  • Nordeste Baiano
  • Sul Baiano
  • Oriental do Tocantins
  • Jequitinhonha
  • Norte Mato-grossense
  • Leste Rondoniense
  • Sudoeste Paraense
  • Norte Goiano
  • Metropolitana de Belo Horizonte
  • Sudoeste Piauiense
  • Centro-Norte Piauiense
  • Metropolitana de Salvador
  • Extremo Oeste Baiano
  • Noroeste Goiano
  • Sertão Pernambucano
  • Noroeste de Minas
  • Central Mineira
  • Leste Maranhense
  • Centro Goiano
  • Baixo Amazonas
  • Distrito Federal
  • Madeira-Guaporé
  • Sul Maranhense
  • Litoral Norte Espírito-santense
  • Centro-Sul Mato-grossense
  • Sul Cearense
  • Oeste Maranhense

+Piso da enfermagem: União libera valor de janeiro; São Paulo recebe R$ 21 bilhões

Desastres naturais em 2023

Desastres socioambientais como transbordamentos de rios e deslizamentos de terra fizeram com que o ano de 2023 tivesse o maior número de ocorrências desses gêneros, segundo apontou o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

O órgão somou 1.161 eventos como esses de origem hidrológica (716 registros) e geológica (445 casos). De acordo com o Cemaden, as ocorrências seguiram o padrão de concentração em capitais e regiões metropolitanas. O levantamento mostrou que a maior parte está localizada na faixa leste do país.

O Cemaden explicou à Agência Brasil que a temperatura média global em 2023 ficou 1.45 ºC acima dos níveis pré-industriais (1850-1900). “As temperaturas mais quentes contribuem globalmente para a intensificação de chuvas e enxurradas, intensificação de ciclones extratropicais com potencial destrutivo, mortes e prejuízos econômicos”, ponderou o órgão.

Chuvas fortes: medidas de autoproteção

Para evitar os impactos catastróficos que podem ser desencadeados pelas chuvas fortes, A Defesa Civil Nacional indica medidas que devem ser adotadas antes, durante e após os temporais. Confira:

Antes 

  • Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido e de fácil acesso
  • Coloque móveis e utensílios em locais altos
  • Desligue os aparelhos elétricos, o quadro geral de energia e feche o registro de entrada de água
  • Tenha sempre lanternas e pilhas em condições de uso. Não use velas ou lamparinas devido ao risco de incêndio
  • Se houver risco de deslizamentos na região onde você mora, fique atento a qualquer sinal de rachaduras no terreno ou nas paredes
  • Monte um kit com água potável, roupas e remédios caso tenha que deixar a casa com urgência
  • Cadastre-se para receber alertas. Envie um SMS para o número 40199, informando o CEP de sua residência

Durante

  • Feche bem as portas e janelas
  • Auxilie crianças, idosos e pessoas com dificuldade de locomoção próximas a você
  • Evite contato com a água de alagamentos, pois pode estar contaminada e provocar doenças
  • Nunca atravesse ruas alagadas, porque a força da água poderá arrastá-lo
  • Não pare o carro perto de árvores ou postes, porque eles podem cair ou atrair raios
  • Se houver qualquer sinal de movimentação no terreno, procure um local seguro
  • Se precisar deixar o endereço, procure abrigos indicados pela prefeitura ou casas de parentes e amigos

Após 

  • Se a chuva alagar sua casa, lave e desinfete o chão, paredes, objetos caseiros e roupas atingidas. Use luvas e botas ou sacos plásticos duplos nas mãos e pés
  • Raspe toda a lama e retire o lixo do chão, das paredes, dos móveis e dos utensílios
  • Não use água de fontes naturais e poços depois do alagamento, porque podem estar contaminados
  • Volte para casa durante a luz do dia

O órgão também orienta que nunca se atravesse pontes, ruas ou avenidas alagadas, mesmo estando de carro, moto ou bicicleta. Se estiver no trânsito, utilize os serviços de rádio ou aplicativos para traçar rotas que evitem áreas alagadas. Preferencialmente, procure um locar alto e espere o nível da água baixar.

+Saiba quando é permitido o saque do FGTS aos trabalhadores da iniciativa privada

Inundações e enxurradas

Os desastres naturais hidrológicos também incluem as inundações e as enxurradas. O primeiro é caracterizado pela submersão de áreas fora dos limites normais de um curso de água em zonas que normalmente não se encontram submersas. O transbordamento ocorre de modo gradual, geralmente ocasionado por chuvas prolongadas em áreas de planície. Veja aqui quais cuidados ter em caso de inundações.

Já as enxurradas ocorrem devido ao escoamento superficial de alta velocidade e energia, provocado por chuvas intensas e concentradas, normalmente em pequenas bacias de relevo acidentado. O desastre é caracterizado pela elevação súbita das vazões de determinada drenagem e transbordamento brusco da calha fluvial, além de apresentar grande poder destrutivo. Clique aqui para saber o que fazer em caso de enxurradas.

+++Acompanhe as principais notícias sobre Sociedade no JC Concursos.

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.