Câmara aprova privatização da Eletrobras; Confira como isso pode afetar os servidores

Mesmo com aprovação da MP da privatização no Congresso Nacional, partidos de oposição prometem judicializar a desestatização

Redação
Publicado em 22/06/2021, às 09h17

Deputados reunidos no plenário
Deputados reunidos no plenário - Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Na noite da última segunda-feira (21), a Câmara dos Deputados aprovou, por 258 votos a 136, a MP (Medida Provisória) da privatização da Eletrobras. Com a aprovação no Congresso Nacional, a matéria segue para sanção presidencial.

Analisado pelos senadores na semana passada, o texto precisava ser votado urgentemente até terça-feira (22) porque poderia perder a validade. Assim, uma sessão extraordinária da Câmara foi convocada ontem, sendo que a segunda-feira é considerada um dia incomum para votações tão grandes como a privatização da Eletrobras.

A MP permite que a empresa venda ações na bolsa de valores para diminuir a participação acionária da União, que também não poderá comandar o conselho da empresa, porém terá poder de veto sobre as decisões (golden share).

A matéria determina que governo federal contrate os empregados da Eletrobras demitidos sem justa causa nos 12 meses seguintes à desestatização em empresas públicas federais para cargos de mesma natureza e com salários equivalentes aos anteriormente recebidos. 

O texto do relator, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), autoriza o governo federal a criar uma empresa pública ou sociedade de economia mista para administrar a Eletronuclear, estatal que controla as usinas de Angra e Itaipu Binacional. As empresas devem ficar sob controle da União.

Elmar Nascimento justificou a aprovação da medida em virtude da perda da capacidade de investimentos da Eletrobras. De acordo com o deputado, entre 2011 e 2019 esses valores despencaram de uma média anual próxima a R$ 10 bilhões para 3,3 bilhões. 

“Como consequência da perda de capacidade de investimento podemos citar a ausência da empresa nos últimos leilões de geração, o que tem contribuído pela gradativa perda de participação no mercado. Em 2011, a empresa detinha 36% da capacidade de geração e 56% das linhas de transmissão do país. Em 2019, esses percentuais caíram para 30% e 45% respectivamente. Ainda, de acordo com projeções do Ministério das Minas e Energia, caso seja mantida a tendência atual, devem atingir 23% e 32%, em 2029”, argumentou Nascimento.

O texto-base prevê a contratação de energia de reserva de termelétricas movidas a gás natural em montante equivalente a 1.000 megawatt (MW) em estados do Nordeste que ainda não tenham gasoduto e outros 5 mil MW nas regiões Norte e Centro-Oeste.

Judicialização da privatização da Eletrobras

Contrários à medida, Psol, PT, PSB e Novo entraram em obstrução para tentar adiar a votação da proposta. Segundo o líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), partidos contrários à matéria entrarão com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a proposta.

“Vamos à Justiça tentar reverter esse absurdo que, além de um enorme prejuízo para o Brasil e os brasileiros, é inconstitucional. Uma imoralidade que vai pesar principalmente mais no bolso do consumidor brasileiro”, afirmou Molon.

Para a bancada do partido Novo, foram incluídos trechos por deputados e senadores alheios ao tema central, como contratação de termelétricas, prorrogação de incentivos fiscais e outros temas. 

O presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), defendeu a aprovação da matéria. Para o deputado, as mudanças incluídas pelos parlamentares tratam do setor energético.

“Se a medida provisória falar de energia, e nós dissermos que matéria pertinente com a energia é jabuti, depreciaremos o trabalho de deputados e deputadas que têm total respaldo para fazer quaisquer emendas que pensem ser meritórias, e o Plenário decide por sua maioria”, afirmou.

*trechos com reprodução da Agência Brasil

Comentários

Mais Lidas