MenuJC Concursos
Busca
Notícias | | Aulas Grátis | Provas anteriores | Simulados | Empregos | Brasil

Confiança do empresário sobe mesmo em meio a um ambiente de incertezas, diz CNI

De acordo com a pesquisa sobre a confiança do empresário, a maioria dos segmentos da economia apresentaram alta no alta no índice devido a uma reavaliação da situação económica

Victor Meira | victor@jcconcursos.com.br
Publicado em 26/04/2022, às 14h00

None
Shutterstock
WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmail

Uma das principais medidas para avaliar o humor do empresariado brasileiro é o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), que é desenvolvido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apesar de um cenário econômico bem nebuloso, com ondas de covid-19 na China e conflito entre Rússia e Ucrânia, a confiança do empresário subiu no mês de abril. 

O Icei aumentou em 19 dos 29 setores da indústria em abril na comparação com março de 2022, ou seja, a maioria dos segmentos estudados pela pesquisa. O indicador continua acima de 50 pontos, mesmo nos dez setores em que o indicador foi menor que em março.

Os dados sobre a confiança do empresário brasileiro foram divulgados nesta terça-feira (26).

+Apesar da inflação ainda estar no setor, confiança da construção civil é a maior desde 2014

Os setores que registraram maiores altas foram os de produtos de borracha, que passou de 53,7 pontos em março para 59,3 pontos em abril; de limpeza, perfumaria e higiene pessoal (de 53,4 para 58,8 pontos); e de metalurgia (de 53,8 pontos para 58,3).

O índice de confiança dos empresários apresentou maior queda nos setores de calçados e suas partes, que passou de 58,8 pontos em março para 55,1 pontos em abril; produtos de metal - exceto máquinas e equipamentos (de 56,5 pontos para 54,3 pontos); e impressão e reprodução de gravações, setor que caiu de 57,9 pontos para 55,8 pontos.

Confiança do Empresário: Confira a análise da CNI sobre os dados

De acordo com o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, a recuperação da confiança do empresário brasileiro, perdida com força no último trimestre, se deve a uma reavaliação dos riscos do início do ano. “A alta no mês foi significativa em alguns setores, mas não estamos falando de um otimismo desmedido”, disse.

“Possivelmente há uma reavaliação dos riscos e incertezas trazidos pela nova onda de covid-19 no início do ano, assim como pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Isso trouxe algum alívio para as expectativas em abril. Mas os problemas na economia, como inflação, juros e tributação complexa seguem presentes e impedem que o otimismo deslanche”, concluiu.

O estudo da CNI também indica que mesmo com a queda, os setores ainda continuam bem acima dos 50 pontos. Com isso, o empresariado ainda segue confiante com as suas empresas e na economia brasileira no momento atual e para os próximos seis meses. 

Como é feita a pesquisa da confiança do empresário?

O índice varia de zero a 100 pontos e valores acima de 50 indicam confiança e abaixo disso falta de confiança. Foram entrevistadas 2.229 empresas, sendo 887 de pequeno porte, 830 de médio porte e 512 de grande porte entre os dias 1° e 11 de abril.

*com informações da CNI

+++Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google News e acompanhe nossos destaquesSociedadeBrasil

Comentários

Voltar ao topo

+Mais Lidas

JC Concursos, o seu Jornal dos Concursos de sempre. Imparcial, independente, completo.