MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

DE NOVO? Associação acusa Ambev ter um rombo de R$ 30 bi, os mesmos donos da Americanas

Apesar de pertencer ao mesmo grupo de sócios majoritários, os movimentos acusados pela associação contra a Ambev é diferente do que foi observado na Americanas

DE NOVO? Associação acusa Ambev ter um rombo de R$ 30 bi, os mesmos donos da Americanas
Divulgação Ambev
Victor Meira

Victor Meira

victor@jcconcursos.com.br

Publicado em 01/02/2023, às 14h42

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Há 20 dias, o ex-CEO da Americanas, Sérgio Rial, anunciou que a Americanas tinha um rombo contábil na casa de R$ 20 bilhões. A empresa varejista teve como sócios majoritários, três dos cinco homens mais ricos do Brasil, Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, todos sócios da 3G Capital. 

Quase um mês depois, apareceu mais uma acusação de um possível rombo bilionário de uma das maiores empresas do Brasil e até do mundo, a Ambev. A revista Veja divulgou uma notícia de que a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), que representa produtores menores do produto, acusa a multinacional de inconsistências nas demonstrações financeiras na ordem de R$ 30 bilhões. 

+É HOJE! Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 115 milhões; veja como apostar na internet

Um estudo pedido pela associação, que foi feito pela consultoria AC Lacerda, indica que há divergências contábeis na Ambev relacionadas a ter vantagens e isenção em impostos federais, estaduais e municipais. 

O diretor-geral da CervBrasil, Paulo Petroni, afirmou, para a Veja, que a fabricante de cervejas estaria inflacionando os preços de componentes da produção para ter isenção tributária. A Ambev faria isso para ter direito a créditos tributários na Zona Franca de Manaus. Assim, a empresa teria ganhos maiores com a redução do pagamento de impostos. 

Apesar disso, o movimento é diferente do que foi observado na Americanas. Analistas do mercado financeiro citam que a varejista fez a manobra do risco sacado. 

+Enem 2022: já é possível conferir as 200 mil vagas disponíveis no SiSU; SAIBA MAIS

O risco sacado é uma operação que uma empresa faz entre fornecedores e bancos. Um varejista compra em atacado uma série de produtos com os fornecedores. Para ter uma margem maior de desconto e estoque, a companhia pega um empréstimo junto a um banco. No balanço contábil, ao invés de jogar o empréstimo na área de dívida bancária, a empresa lançava com dívidas de fornecedor, sem ter calculado os juros em cima deste valor. 

+++Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.