MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Greve no Metrô e CPTM em São Paulo é diferente de outras iniciadas por funcionários públicos

Documento declara que a manifestação dos servidores vai além da esfera trabalhista. Entenda os motivos da paralisação dos funcionários públicos em SP

Governador de São Paulo diz que greve é ilegal
Governador de São Paulo diz que greve é ilegal - Agência Brasil
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 28/11/2023, às 15h21 - Atualizado às 23h58

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

A greve que impactou as operações do Metrô de São Paulo e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) nesta terça-feira (28) não se limita a questões salariais ou benefícios trabalhistas, destacando-se como um ato de resistência contra a privatização não só dos serviços de transporte, mas também da Sabesp, responsável pelo fornecimento de água e tratamento de esgoto no estado.

Ao contrário de movimentos anteriores, os sindicatos envolvidos afirmam que a greve é uma expressão política e trabalhista, alertando para as potenciais perdas de emprego resultantes da privatização desses serviços. Enquanto os representantes do governo veem a paralisação como uma manifestação exclusivamente política contra a administração atual.

O processo de privatização mais avançado envolve a Sabesp, atualmente em tramitação na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), com a possibilidade de votação em breve. No caso das concessões de linhas do Metrô e CPTM à iniciativa privada, ainda estão sendo conduzidos estudos.

Documento declara que a manifestação dos servidores vai além da esfera trabalhista

Atualmente, duas das cinco linhas do Metrô, a 4-Amarela e a 5-Lilás, já operam sob concessão. O governo busca privatizar a operação das demais linhas. Na CPTM, duas das sete linhas, a 9-Esmeralda e a 8-Diamante, também estão privatizadas.

Um documento assinado por diversos sindicatos e movimentos sociais, encaminhado ao governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, e ao prefeito da cidade, Ricardo Nunes, declara que a manifestação vai além da esfera trabalhista, representando "pautas legítimas e de interesse do povo paulista" contra a tentativa de privatização da Sabesp, Metrô e CPTM.

O Sindicato dos Metroviários destaca a necessidade de um plebiscito oficial sobre a privatização dos serviços públicos e solicita a suspensão da tramitação do projeto de lei da Sabesp para possibilitar um debate público mais amplo.

A presidente do Sindicato, Camila Lisboa, ressalta a importância de ouvir a opinião da população, referindo-se ao plebiscito popular que apontou mais de 90% de rejeição à privatização dos serviços essenciais.

Governador de São Paulo diz que greve é ilegal 

Nesta terça pela manhã, Freitas declarou que a greve é considerada "ilegal e abusiva". Ele classificou o movimento como um ato "político e desarrazoado", reiterando que os estudos sobre privatização não serão interrompidos.

Além disso, o governador assegurou que a privatização da Sabesp está programada para o próximo ano. "Vamos prosseguir conforme prometido. A operação da Sabesp acontecerá no ano que vem, sem dúvida, e será um grande sucesso", afirmou Freitas.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.