MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Mês da Consciência Negra: confira 8 expressões racistas para tirar do seu vocabulário

Alguns termos usados no dia a dia têm conotação racista e, por isso, devem ser eliminados do vocabulário não só no mês da Consciência Negra, mas em todos os demais

Mulher preta com blusa branca, blazer cinza e braços cruzados
Mulher preta com blusa branca, blazer cinza e braços cruzados - Divulgação
Mylena Lira

Mylena Lira

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 05/11/2023, às 21h36

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

É crucial reconhecer que muitas expressões comumente usadas podem ter origens ou conotações racistas, mesmo que seu significado não seja explícito. Em entrevista recente ao programa Bom dia, Ministra, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Anielle Franco ressaltou que “denegrir” e “buraco negro” são exemplos de termos usados indevidamente. A entrevista marcou o início do mês da Consciência Negra.

“Hoje existem muitas palavras que a gente tem tentado muito, sempre que a gente pode, comunicar de maneira bem tranquila e dizer: ‘Olha, essa palavra é racista'”, frisou. "Denegrir é uma palavra que o movimento negro e que as pessoas que têm letramento racial não usam de forma nenhuma. Ou, por exemplo: ‘saímos desse buraco negro’. A gente escuta muito isso”, complementou a ministra da Igualdade Racial.

A palavra "denegrir", embora seja utilizada com o sentido de "manchar" ou "deteriorar a reputação", tem raízes na palavra latina "niger", que significa "preto". Por isso, seu uso pode ser interpretado como um reforço de estereótipos negativos.

Na astronomia, um buraco negro é uma região do espaço onde a gravidade é tão intensa que nada, nem mesmo a luz, consegue escapar de seu interior. No entanto, de acordo com a ministra, seria usado por algumas pessoas com sentido semelhante ao "a coisa está preta", outra expressão racista, conforme explicado mais abaixo.

Anielle disse ser essencial promover o letramento racial, inclusive nas salas de aulas. Segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), letramento racial é um “conjunto de práticas pedagógicas que têm por objetivo conscientizar o indivíduo da estrutura e do funcionamento do racismo na sociedade e torná-lo apto a reconhecer, criticar e combater atitudes racistas em seu cotidiano”.

+Senado aprova reajuste salarial para policiais; Saiba quem terá direito

Expressões racistas

Confira abaixo alguns termos, expressões e ditados populares com fundo racista e que devem ser eliminados do vocabulário para evitar perpetuar a discriminação não só no mês da Consciência Negra, mas em todos os demais:

  • "Serviço de preto": essa expressão estabelece uma associação entre determinadas tarefas ou trabalhos e pessoas negras, o que é prejudicial;
  • "A coisa está preta": expressão é derivada de um contexto histórico racista e pode ser interpretada como ofensiva ou depreciativa;
  • "Cor de pele": evite usar essa expressão ao se referir a tons de pele, já que sugere que existe apenas uma cor padrão para a pele. Antigamente, o "lápis cor de pele", por exemplo, era o com tom rosado;
  • "Cabelo ruim": essa expressão indica que há um tipo "bom" e "ruim" de cabelo, perpetuando preconceitos contra texturas de cabelo naturalmente associadas a pessoas negras;
  • "Coisa de preto": generalizar comportamentos, gostos ou hábitos dessa maneira perpetua estereótipos raciais e denota preconceito;
  • "Negro de alma branca": expressão carrega uma conotação racista, sugerindo que um indivíduo negro se comporta de maneira mais alinhada com padrões brancos;
  • "Não sou tuas negas": durante a era da escravidão, as mulheres negras eram frequentemente vítimas de estupros, assédios e agressões, uma realidade cruel e sistemática que contrastava com o tratamento oferecido às mulheres brancas. A frase remete a essas mulheres, com quem tudo podia se fazer; 
  • "Criado-mudo": não é o termo correto para se referir a um móvel comumente encontrado em quartos, ao lado da cama. A palavra "criado" remete à figura do escravo que servia e estava à disposição de uma pessoa, ficando ao seu lado calado. Por esse motivo, essa expressão tem conotação racista e deve ser substituída por "mesa de cabeceira", "mesa auxiliar" ou "mesa de canto".

++++Acompanhe as principais notícias sobre Sociedade no JC Concursos.

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.