MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Preço da cesta básica em queda na maioria das capitais, aponta Dieese

Dados divulgados pelo Dieese nesta quarta-feira (6) aponta para queda no preço da cesta básica na maioria das capitais do país; Veja os detalhes

Clientes em supermercado
Clientes em supermercado - Agência Brasil
Jean Albuquerque

Jean Albuquerque

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 06/09/2023, às 18h42

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Durante o mês de agosto, o preço da cesta básica de alimentos experimentou uma redução notável em 16 capitais, quando comparado com o mês de julho. As quedas mais significativas ocorreram em Natal (5,2%), Salvador (3,3%), Fortaleza (2,8%), João Pessoa (2,7%) e São Paulo (2,7%). 

A única exceção foi Brasília, onde houve um leve aumento de 0,3%. Esses dados foram revelados nesta quarta-feira (6) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que realiza uma pesquisa mensal sobre os preços dos itens da cesta básica em 17 capitais brasileiras.

Porto Alegre liderou como a capital com o maior custo para a cesta básica de alimentos, atingindo R$ 760,59, seguida por São Paulo (R$ 748,47), Florianópolis (R$ 743,94) e Rio de Janeiro (R$ 722,78). Por outro lado, os preços mais baixos foram encontrados em Aracaju (R$ 542,67), João Pessoa (R$ 565,07) e Salvador (R$ 575,81).

Ao comparar os preços da cesta básica de agosto com o mesmo mês de 2022, observamos uma redução em nove capitais, variando entre 5,24% em Vitória e 0,08% em Curitiba. Por outro lado, oito cidades experimentaram aumento nos preços, com destaque para Fortaleza (2,50%), Porto Alegre (1,67%) e Belo Horizonte (1,23%).

Considerando o acumulado dos oito primeiros meses do ano até agosto, o custo da cesta básica caiu em 12 capitais, com as maiores reduções em Vitória (9,32%), Goiânia (8,96%), Belo Horizonte (7,22%) e Campo Grande (7,06%). As maiores elevações ocorreram em Aracaju (4,15%) e Recife (2,77%).

Com base na cesta mais dispendiosa, que em agosto foi a de Porto Alegre, o Dieese estima que, de acordo com a constituição, o salário mínimo necessário deveria ter sido de R$ 6.389,72 no oitavo mês do ano, o que equivale a 4,84 vezes o valor do salário mínimo vigente, que era de R$ 1.320.

+ STF determina investigação de agentes públicos nos processos de Lula

Veja produtos em queda 

Os preços de alimentos essenciais apresentaram um cenário variado nas 17 capitais onde foram realizadas as pesquisas. O leite integral e a batata experimentaram quedas de preço em todas essas cidades. 

O feijão carioquinha registrou redução em todos os locais onde foi avaliado, abrangendo as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Belo Horizonte e São Paulo. O feijão tipo preto teve uma diminuição de preço em três das cinco capitais onde foi objeto de análise. Além disso, a carne bovina de primeira e o tomate também apresentaram quedas de preço, abrangendo 14 das 17 capitais analisadas.

Por outro lado, o pão francês viu seus preços subirem em 11 das 17 cidades pesquisadas. Da mesma forma, o arroz agulhinha teve um aumento de preço em 12 das 17 capitais analisadas.

Essa dinâmica de preços em alimentos essenciais reflete a complexidade do mercado e os diversos fatores que influenciam os custos e disponibilidade desses produtos em diferentes regiões do país. 

+Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.