MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Presidente Lula destaca otimismo econômico e rejeita meta fiscal rígida

Busca por um superávit fiscal a qualquer custo poderia resultar em cortes drásticos nos investimentos em obras essenciais, disse o presidente

Governo enviou várias MPs e projetos de lei destinados a reduzir benefícios fiscais e aumentar a arrecadação
Governo enviou várias MPs e projetos de lei destinados a reduzir benefícios fiscais e aumentar a arrecadação - Agência Brasil
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 27/10/2023, às 16h29

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva abordou os desafios econômicos do país em uma coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira no Palácio do Planalto. Lula afirmou que, embora o novo arcabouço fiscal estabeleça a meta de resultado primário zero para 2024, dificilmente o governo a cumprirá. Segundo o presidente, a busca por um superávit fiscal a qualquer custo pode resultar em cortes drásticos nos investimentos em obras essenciais.

Lula enfatizou que o país não precisa necessariamente de uma meta fiscal zero, destacando que a imposição de metas rígidas pode prejudicar projetos prioritários para o desenvolvimento nacional. "Eu não vou estabelecer uma meta fiscal que me obrigue a começar o ano fazendo cortes de bilhões nas obras que são fundamentais para o país. O mercado, por vezes, é ganancioso demais e insiste em metas sabendo que não serão alcançadas", declarou o presidente.

O presidente Lula também mencionou a importância de manter a flexibilidade necessária para garantir o progresso econômico, mesmo que isso signifique um déficit de 0,5% ou 0,25%. Ele argumentou que um déficit modesto não é um grande problema, desde que o governo continue investindo no crescimento econômico.

Presidente Lula expressou otimismo em relação à economia

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, já havia reconhecido os desafios de zerar o déficit e enfatizou a necessidade de colaboração com o Congresso Nacional para atingir esse objetivo. O governo enviou várias medidas provisórias e projetos de lei destinados a reduzir benefícios fiscais e aumentar a arrecadação.

Além disso, o presidente Lula expressou otimismo em relação à economia, prevendo um crescimento do PIB de 3% ou mais em 2023. Para 2024, ele destacou que, apesar dos desafios econômicos globais, o governo está empenhado em minimizar os impactos internos.

Lula ressaltou as oportunidades na energia verde como uma alavanca para atrair investimentos, gerar empregos e estimular a economia. Ele também delegou ao vice-presidente Geraldo Alckmin e ao ministro da Casa Civil, Rui Costa, a tarefa de promover os projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Brasil e no exterior.

O presidente concluiu a coletiva afirmando que o Brasil é um "novo berçário de investimentos" e está determinado a enfrentar os desafios econômicos de forma proativa.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.