MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Sindicatos devem ganhar força política e econômica no Governo Lula. Entenda

Presidente Lula (PT) durante discurso nos EUA afirmou, nesta quarta-feira (20), que os sindicatos devem ganhar força política e econômica em seu governo

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao lado do presidente dos EUA, Joe Biden , em Nova York
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao lado do presidente dos EUA, Joe Biden , em Nova York - Ricardo Stuckert/PR
Jean Albuquerque

Jean Albuquerque

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 20/09/2023, às 18h42

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

Os sindicatos devem voltar a ganhar força política e econômica no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que defendeu nesta quarta-feira (20) em Nova York, nos Estados Unidos, o fortalecimento de sindicatos e a elaboração de regras para disciplinar a relação de trabalhadores com as plataformas digitais. 

A declaração de Lula ocorreu durante pronunciamento ao lado do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e após uma reunião com o chefe de estado americano. O petista ainda ressaltou que as pessoas estão enganadas ao pensar que um sindicato fraco pode gerar mais ganhos para os empresários e o país. 

Segundo ele: "Não há democracia sem sindicato forte. Porque o sindicato é efetivamente quem fala pelo trabalhador para tentar defender os seus direitos", destacou publicação do G1. 

+ Último lote de restituição do Imposto de Renda 203: Aprenda a consulta devolução

Parceria entre Brasil e EUA

Lula e Biden anunciaram conjuntamente na quarta-feira a apresentação de um documento intitulado "Parceria pelos Direitos dos Trabalhadores e Trabalhadoras" (saiba mais detalhes aqui). Este plano abrange uma série de medidas destinadas a fomentar discussões sobre a melhoria das condições dos trabalhadores.

Durante seu discurso ao lado do Presidente Biden, o líder petista também revelou estar envolvido em negociações para estabelecer uma política de trabalho "digna" com o objetivo de "aperfeiçoar a qualidade de vida" dos empregados, especialmente aqueles que prestam serviços em plataformas digitais, em meio ao avanço da inteligência artificial.

Lula explicou: "Iniciamos um processo de diálogo, envolvendo o governo e empresários. Esta iniciativa visa não apenas criar oportunidades de emprego digno para aqueles que enfrentam condições precárias nas plataformas de serviços, mas também a possibilidade de estabelecer um novo paradigma para as relações entre capital e trabalho no século 21, com uma abordagem mais civilizada."

Documento destaca importância do papel dos trabalhadores 

O documento "Parceria pelos Direitos dos Trabalhadores e Trabalhadoras" ressalta a importância do papel central dos trabalhadores em um mundo sustentável, democrático, equitativo e pacífico. 

A declaração enfatiza que tanto os Estados Unidos quanto o Brasil compartilham o entendimento e o compromisso de abordar questões críticas relacionadas à desigualdade econômica e de salvaguardar os direitos dos trabalhadores.

De acordo com o documento, a promoção do trabalho digno é essencial para alcançar os objetivos estabelecidos na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

O texto também destaca a preocupação compartilhada pelas duas nações em relação aos impactos da digitalização das economias e ao uso crescente da inteligência artificial no mundo do trabalho.

O Presidente Lula revelou, em uma entrevista após o anúncio da declaração conjunta, sua intenção de propor a construção de um pacto multilateral sobre o tema do trabalho e a proteção dos direitos dos trabalhadores em fóruns internacionais no qual o Brasil participe.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.