Programa de trainee ou concurso público?

Diferentemente da iniciativa privada, o concurso público é 100% democrático, ou seja, não há avaliação subjetiva no processo e a aprovação depende somente da dedicação do candidato

Jaime Kwei
Publicado em 22/07/2016, às 16h25

Na iniciativa privada, as empresas sempre buscam profissionais que possam fazer a diferença, que tenham vontade de trabalhar, de inovar e de adaptar-se às situações adversas encontradas no dia a dia da corporação. Dentre as características mais valorizadas pelas companhias estão: pró-atividade, flexibilidade, criatividade, ousadia, dinamismo, facilidade para trabalhar em grupo, habilidade para relacionamento interpessoal e capacidade de aprendizado rápido.
Nos programas de trainee, muito procurados por recém-formados ou estudantes em processo de conclusão do nível superior, a cobrança é ainda maior. E maior ainda é a autocobrança por parte do candidato, pois o que está em jogo, se aprovados ao final do programa, é uma possível função de liderança, um bom salário e talvez a possibilidade de iniciar uma brilhante carreira na empresa.
Além de possuir curso superior, o candidato também deve ter nível de inglês intermediário ou fluente, disponibilidade para viagens e mudanças de cidade, Estado e país. 
Em alguns casos, as seleções podem durar de 3 a 4 meses e o candidato passa por várias entrevistas, dinâmicas, análise e enfrentamento de situações-problema, provas de nível de conhecimento, etc. Os programas de trainee são longos e concorridos. Em geral, esses processos são compostos por diversos estágios diferentes e, ao final de todo esse processo, o candidato poderá ainda não conseguir a tão almejada vaga.
Buscando atingir seus objetivos e garantir a tão sonhada estabilidade, muitos recém-formados ou em fase de conclusão de seu curso de graduação optam por outro processo de seleção: o concurso público. Diferentemente da iniciativa privada, o concurso público é 100% democrático, ou seja, não há avaliação subjetiva no processo e a aprovação depende somente da dedicação do candidato.
Conversando com alguns alunos, além do cenário econômico, outros fatores são decisivos para essa tomada de decisão, dentre eles a instabilidade financeira e profissional do mercado de trabalho, principalmente para os colaboradores sem experiência profissional.
Na carreira pública há possibilidades para todas as áreas de formação e, em muitos casos, as vagas exigem nível superior completo em qualquer área, como no caso de Analista-Tributário e Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil.
Caso opte pelas oportunidades no funcionalismo público, além de remunerações muito atrativas, os candidatos também têm muitos benefícios, vantagens e possibilidades de ascensão nas carreiras, e, diferentemente da iniciativa privada, o fantasma do desemprego não mais fará parte de seu cotidiano.
De acordo com muitos de nossos alunos, com uma preparação focada, de acordo com a realidade do concurso e com dedicação, o ingresso na carreira pública, sem nunca haver trabalhado na iniciativa privada, propiciou estabilidade financeira e profissional e a realização de muitos dos seus sonhos, muito antes do que imaginavam.
E você, vai ficar fora dessa? Jaime Kwei, diretor de marketing e comercial na Central de Concursos

Comentários

Mais Lidas