Seja especialista e não generalista

A vida o tempo todo confirma algumas frases, como aquela que diz que quem atira para todos os lados acaba perdendo o alvo! No estudo para concursos não poderia ter frase que caísse tão bem

Luiz Rezende
Publicado em 21/10/2015, às 11h35

A vida o tempo todo confirma algumas frases, como aquela que diz que quem atira para todos os lados acaba perdendo o alvo! No estudo para concursos públicos não poderia ter frase que caísse tão bem, pois muita gente perde tempo estudando de forma errada, mudando o tempo de foco, de acordo com o edital da vez, da próxima prova.
A recente declaração do Governo Federal de que concursos do Poder Executivo seriam postergados em 2016 causou uma compreensível angústia em muitos candidatos, que acabaram mudando e, neste sentido, prejudicando seus estudos, pois quem é generalista não se prepara de forma ideal. Estudar para concursos demanda especialização na área (tribunal, polícia, bancária, fiscal etc) e, principalmente, na banca organizadora, pois cada uma tem seu estilo e tipo de prova. 
Muitos dos meus alunos que se preparavam desde o início do ano para a prova de técnico do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), com o anuncio do Governo, começaram a mudar o foco e a se preparar para os vários concursos de tribunais que estão com editais abertos no momento. Entre eles TCE/SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), TRT/PR (Tribunal Regional do Trabalho do Paraná) e TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) de MS, PB e AP, concursos em que a banca não será a mesma do INSS e que, apesar de apresentarem matérias comuns, têm alguns tópicos de edital diferentes.
Aqueles que continuaram focados, pouco tempo depois, perceberam como foi correta tal decisão, pois o Cespe/UnB foi confirmado como a banca organizadora da prova do INSS. Este exemplo apenas reforça que nada impede o candidato de prestar provas de bancas distintas e outras, mas sempre mantendo o foco principal, pois é necessário ser especialista no estilo de prova, abordagem de questões etc.
O ideal é que o candidato tenha um nível de especialização que o permita saber quais termos são utilizados, quais tópicos são mais recorrentes e qual o estilo geral da banca para priorizar seus estudos na área desejada, pois o cargo público é conquistado por alunos especialistas, não generalistas.
Luiz Rezende, orientador pedagógico do AlfaCon Presencial São Paulo.

Comentários

Mais Lidas