MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Abandono de processo penal por advogado não terá mais multa

Presidente Lula (PT) sancionou nesta quarta-feira (13) lei que extingue multa aplicada a advogado por abandono de processo penal; Saiba mais

Advogado
Advogado - Divulgação JC Concursos
Jean Albuquerque

Jean Albuquerque

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 13/12/2023, às 12h45

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou nesta quarta-feira (13) a Lei 14.752/23, que altera o Código de Processo Penal (CPP) e o Código de Processo Penal Militar (CPPM) para extinguir a multa aplicada pela Justiça ao advogado que abandona processo penal.

A nova lei substitui a sanção por um processo administrativo na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). No caso de abandono do processo pelo defensor, o acusado será intimado a indicar novo defensor se quiser. Se ele não for localizado, deverá ser nomeado um advogado dativo ou defensor público para sua defesa.

A lei também revoga ponto do CPPM que determinava a nomeação obrigatória de advogado de ofício aos praças, regra não prevista na Constituição Federal.

A origem da norma está vinculada ao Projeto de Lei 4727/20, proposto pelo senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o qual foi aprovado tanto pela Câmara dos Deputados quanto pelo Senado em novembro. Na Câmara, a relatoria ficou a cargo do deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG).

+ Você está precisando de férias! Especialista fala sobre a importância do recesso para a saúde mental

Veja as mudanças com nova lei

Anteriormente, o Código de Processo Penal (CPP) vedava que o defensor abandonasse o processo, exceto por motivo imperioso, mediante comunicação prévia ao juiz, sob a penalidade de multa variando de 10 a 100 salários mínimos.

A nova legislação estabelece que em caso de abandono do processo pelo defensor, o acusado será notificado para indicar um novo defensor, caso deseje fazê-lo. Caso não seja possível localizá-lo, um advogado dativo ou defensor público será designado para assumir sua defesa.

A lei também revoga um ponto do Código de Processo Penal Militar (CPPM) que exigia a nomeação compulsória de advogado dativo para os praças, regra não contemplada na Constituição Federal.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.