MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Alívio ao bolso do trabalhador: cheque especial e crédito rotativo têm juros menores

A redução é atribuída, principalmente, à diminuição das taxas médias nas operações de cartão de crédito rotativo e no cheque especial. Saiba qual é a diferença e de quanto foi a redução dos juros

Pessoa segura cartão de crédito em frente ao notebook
Pessoa segura cartão de crédito em frente ao notebook - Divulgação
Mylena Lira

Mylena Lira

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 05/12/2023, às 22h26

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

A taxa média de juros cobrada de pessoa física no crédito livre apresentou uma queda significativa de 1,9 ponto percentual (p.p.) em outubro, atingindo 55,4% ao ano. Essa redução é atribuída principalmente à diminuição das taxas médias nas operações de cartão de crédito rotativo, que registrou uma queda de 9,5 p.p., e no cheque especial, que teve uma redução de 7,3 p.p.

O cheque especial é uma linha de crédito pré-aprovada oferecida pelo banco, permitindo que o correntista utilize um valor além do saldo disponível em sua conta. Já o crédito rotativo refere-se à modalidade em que o cliente pode financiar parte ou o total da fatura do cartão de crédito, pagando apenas uma parcela mínima e refinanciando o restante para o próximo mês.

O recuo acumulado de 1,2 p.p. nos últimos 12 meses foi revelado pelas estatísticas monetárias e de crédito divulgadas nesta terça-feira (5) pelo Banco Central. Especialistas alertam que, mesmo com o cenário mais favorável, é essencial usar o cartão de crédito com consciência para evitar pagar juros ainda mais altos do que os aplicados nessa modalidade.

Por isso, é fundamental que os consumidores evitem o pagamento mínimo da fatura, já que o crédito rotativo possui juros exorbitantes. Optar por parcelamentos com juros mais baixos também é uma alternativa para evitar endividamentos desnecessários.

+Mais de 13 mil vagas de emprego estão abertas no estado de São Paulo

Queda nas taxas

A redução de 7,3 p.p. no cheque especial e 9,5 p.p. no crédito rotativo representa um alívio para os consumidores. Contudo, é essencial que os clientes estejam atentos para não se afundarem em dívidas, mesmo diante dessas taxas mais favoráveis.

Especialistas financeiros recomendam cautela e a adoção de práticas responsáveis para evitar o ciclo vicioso do endividamento:

  • Planejamento financeiro: Estabeleça um orçamento mensal e evite gastos impulsivos;
  • Uso consciente do crédito: Utilize o crédito de forma consciente, considerando as condições de pagamento;
  • Negociação com o Banco: Em caso de dificuldades financeiras, busque negociar as condições de pagamento com o banco;
  • Alternativas de crédito: Avalie outras opções de crédito com taxas mais favoráveis antes de recorrer ao cheque especial ou crédito rotativo.

+Existe vínculo de emprego entre entregador e iFood? Veja decisão do STF

Cenário para empresas

Para as pessoas jurídicas, a taxa média ficou em 22,8% ao ano, mantendo estabilidade no mês e registrando uma redução de 0,4 p.p. em 12 meses. No crédito livre, onde os bancos têm autonomia para definir taxas, a taxa média de juros foi de 42,2% em outubro, com decréscimo mensal de 1,1 p.p.

Parcelar a fatura do cartão ou pagar valor parcial?

A fatura vai vencer, mas você não tem o dinheiro para pagar toda a conta. É mais indicado parcelar? Ao parcelar a fatura do cartão de crédito, você geralmente está optando por uma modalidade de pagamento diferente do crédito rotativo.

Parcelar a fatura envolve dividir o valor total devido em prestações fixas, geralmente com um prazo determinado e taxas de juros pré-acordadas. Essa opção é, geralmente, considerada uma opção mais favorável do que utilizar o crédito rotativo. Existem algumas razões para isso:

  • Taxas de juros mais baixas: Ao parcelar a fatura, as taxas de juros geralmente são mais baixas do que as do crédito rotativo. As instituições financeiras tendem a oferecer condições mais vantajosas para parcelamentos, pois eles fornecem uma estrutura de pagamento mais previsível;
  • Pagamentos programados: Ao parcelar a fatura, você tem a vantagem de saber exatamente quanto pagará em cada prestação e em quanto tempo a dívida será quitada. Isso facilita o planejamento financeiro e evita surpresas com o aumento do saldo devedor;
  • Prazo determinado: No parcelamento da fatura, você concorda com um prazo fixo para quitar a dívida. Isso ajuda a evitar a acumulação contínua de juros, como pode ocorrer no crédito rotativo, onde o saldo não pago é transferido para o próximo período de faturamento.

É importante ressaltar que as condições de parcelamento podem variar de acordo com a instituição financeira e o contrato do cartão de crédito. Antes de optar por parcelar a fatura, é essencial ler atentamente os termos e as condições, incluindo as taxas de juros envolvidas, para garantir que seja uma opção viável e econômica para sua situação financeira.

Em resumo, parcelar a fatura é geralmente uma alternativa mais vantajosa do que utilizar o crédito rotativo, pois oferece taxas de juros mais baixas, pagamentos programados e prazo determinado para quitação da dívida. No entanto, é importante verificar as condições específicas oferecidas pelo emissor do cartão antes de tomar uma decisão.

+++Acompanhe as principais notícias sobre Sociedade no JC Concursos.

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.