MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Cannabis para evitar a perda de visão? Pesquisadores avançam

Pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF) utilizam da substância da Cannabis para desenvolver medicação para evitar perda da visão

Medicamento a base de cannabis
Medicamento a base de cannabis - Canva
Jean Albuquerque

Jean Albuquerque

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 06/03/2023, às 17h09

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

A cannabis pode ser utilizada para tratamento de doença que leva a cegueira de pacientes. Os pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF) utilizam da substância para desenvolver medicação para evitar perda da visão

O projeto foi criado em 2014 e pesquisadores do Instituto de Biologia da UFF estudam a utilização do endocanabinoide para tratar de casos relacionados a retinose pigmentar — doença hereditária que chega a afetar uma pessoa a cada quatro mil. 

A doença tem como primeiro sintoma a dificuldade de enxergar em lugares que são poucos iluminados e, ao longo dos anos, esse paciente pode ter perda total da visão. A pesquisa ainda conta com as parcerias da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

O projeto da Universidade tem apresentado resultados promissores. No primeiro momento, os pesquisadores desenvolveram medicamente experimental de maneira injetável. 

Até o momento não há cura para a retinose pigmentar, o que faz com que a pesquisa seja muito importante. De acordo com reportagem da TV Brasil, os testes realizados em animais são animadores, já que foi possível reduzir em 50% o avanço da doença. 

O estudante de doutorado da UFF, Rafael Azevedo, ouvido pela reportagem da TV Brasil, diz que a indústria farmacêutica não tem interesse em produzir medicamente para a doença por conta do baixo retorno financeiro. 

"Então a universidade pública tem um papel muito importante em tentar ajudar esses pacientes, que tem todas essas dificuldades crônicas em trazer novas esperanças de tratamento", disse ele. 

+ Ministério da Justiça aciona Polícia Federal para apurar caso das joias de Bolsonaro

Próxima etapa 

O objetivo na próxima etapa da pesquisa é desenvolver um colírio a base de canabidiol para que possa ser facilitada a sua aplicação e, ainda, conseguir melhores resultados para tratar da patologia. 

A coordenadora da pesquisa, Luciana Madeira, também ouvida pela TV Brasil, afirma que o preconceito do uso medicinal de medicamentos a base de maconha atrapalha o desenvolvimento de novos remédios. 

"A gente demorou muito tempo para começar a utilizar o canabidiol justamente por conta dessas questões relacionadas a preconceito do uso do que seria derivado de maconha, o derivado da planta do cânhamo para fins medicinais", disse.  

*Com informações da TV Brasil 

+++ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.