MenuJC Concursos
Busca
Notícias | | Aulas Grátis | Provas anteriores | Simulados | Empregos | Brasil

Preço da cesta básica encarece em 16 Estados, segundo Dieese. Veja quais

A pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos demonstrou que o brasileiro precisou trabalhar 34 minutos a mais em janeiro de 2022 para levar os mesmos alimentos à mesa por conta do aumento do preço da cesta básica

Mylena Lira | redacao@jcconcursos.com.br
Publicado em 07/02/2022, às 19h15 - Atualizado às 19h35

Diversas cestas básicas expostas lado a lado
Diversas cestas básicas expostas lado a lado - Divulgação
WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmail

Não foi só o Gás de cozinha ou o IPVA dos carros que ficaram mais caros em janeiro de 2022. O preço da cesta básica também aumentou em 16 capitais de estados brasileiros, segundo Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos realizada pelo DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Entre os17 municípios onde a pesquisa foi feita, apenas a capital gaúcha apresentou queda no valor dos alimentos que chegam à mesa do trabalhador. Comparando o custo no mês de dezembro de 2021 com o de janeiro deste ano, o preço da cesta básica em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, teve uma redução de -1,45%.

Já a maior alta foi registrada em Brasília, no Distrito Federal. Na cidade sede do Congresso Nacional, o preço da cesta básica subiu 6,36%. Na sequência, as altas mais expressivas ocorreram em Aracaju (6,23%), João Pessoa (5,45%), Fortaleza (4,89%) e Goiânia (4,63%).

Preço da cesta básica é maior em São Paulo

Em janeiro de 2022, a cesta básica na capital paulista apresentou alta de 3,38%, na comparação com dezembro de 2021, e custou R$ 713,86, o maior valor entre as 17 cidades onde o DIEESE realizou a pesquisa. O segundo maior preço da cesta básica foi encontrado em Florianópolis, capital de Santa Catarina (R$ 695,59). Rio de Janeiro (R$ 692,83), Vitória (R$ 677,54) e Porto Alegre (R$ 673,00) estão logo atrás.

Ao analisar o valor da cesta nos últimos 12 meses, as maiores altas acumuladas ocorreram em Natal (21,25%), Recife (14,52%), João Pessoa (14,15%) e Campo Grande (14,08%). Na somatória de 12 meses, o percentual de aumento do conjunto de alimentos básicos na terra da garoa foi de 9,13%.

Confira na tabela abaixo a variação mensal e a acumulada em 12 meses nas 17 capitais brasileiras pesquisadas:

preço da cesta básica
Alimentos que elevaram o preço da cesta básica

Alguns itens influenciaram mais na elevação do custo dos alimentos básicos. Veja:

  • Café: subiu em todas as capitais, com destaque para as variações registradas em São Paulo (17,91%), Aracaju (12,95%), Recife (12,77%) e Brasília (11,64%);
  • Batata: teve o preço elevado em nove das 10 cidades. Os maiores aumentos ocorreram em Belo Horizonte (42,12%), Rio de Janeiro (31,74%) e Goiânia (20,30%);
  • Tomate: subiu em 14 capitais, exceto nas cidades do Sul. A maior lata foi registrada em Aracaju (47,43%);
  • Óleo de soja: aumentou em 15 capitais. As maiores variações ocorreram em Belém (5,99%), Brasília (4,69%) e Campo Grande (3,31%).

Em contrapatida, o preço do feijão, do arroz agulhinha e do litro de leite integral diminuiu em mais de 10 capitais.

Preço da cesta básica e salário mínimo

A pesquisa demonstrou que o brasileiro precisou trabalhar 34 minutos a mais em janeiro de 2022 para levar os mesmos alimentos à mesa. Isso porque, em janeiro de 2021, foram necessárias 111 horas e 46 minutos, em média, para comprar a cesta básica, de acordo com o valor da época. No primeiro mês deste ano, porém, o tempo médio necessário para adquirir os produtos básicos foi de 112 horas e 20 minutos.

Ao comparar o preço da cesta básica e o salário mínimo líquido, após o desconto destinado à Previdência Social, o DIEESE verificou que o trabalhador remunerado pelo novo piso nacional comprometeu, em janeiro de 2022, em média, mais da metade (55,20%) do rendimento para comprar os alimentos.

Ainda de acordo com o departamento de estatísticas, tomando como base o preço da cesta básica, o salário mínimo para sustento de uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 5.997,14 - valor cinco vezes maior do que os atuais R$ 1.212. 

+Saiba como é feito o cálculo do salário mínimo 2022 por dia e hora de trabalho

++++Acompanhe outras notícias sobre Sociedade no JC Concursos.

Siga o JC Concursos no Google News e acompanhe nossos destaquesSociedadeBrasil

Comentários

Voltar ao topo

+Mais Lidas

JC Concursos, o seu Jornal dos Concursos de sempre. Imparcial, independente, completo.