MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

STF pressiona Congresso para que pais tenham os mesmos direitos das mães

Se o Congresso optar por equiparação total, pais terão direito ao mesmo benefício das mães. Impacto fiscal da licença-paternidade é estimado em até R$ 17,5 bilhões para 2025

Impacto fiscal da licença-paternidade é estimado em até R$ 17,5 bilhões para 2025
Impacto fiscal da licença-paternidade é estimado em até R$ 17,5 bilhões para 2025 - Canva/JC Concursos
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 15/12/2023, às 13h39 - Atualizado às 15h41

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

O Supremo Tribunal Federal (STF) declarou que o Congresso Nacional foi omisso na regulamentação da licença-paternidade. Por unanimidade, a corte estabeleceu um prazo de até 18 meses para o Parlamento legislar sobre o tema. Caso a inércia persista após esse período, a licença-paternidade será automaticamente equiparada à licença-maternidade.

A tese proposta pelo presidente do STF, ministro Luís Roberto Barroso, prevaleceu. Durante o julgamento iniciado em julho, outros ministros haviam apresentado divergências, mas após debates, houve um consenso.

Embora a licença-paternidade esteja prevista na Constituição Federal de 1988, o Legislativo nunca aprovou uma lei que estabeleça a duração do benefício. Os dispositivos de transição da Constituição indicam que, nesse vácuo, a licença para os homens que se tornam pais seja de apenas cinco dias.

Impacto fiscal da licença-paternidade é estimado em até R$ 17,5 bilhões para 2025

Para Barroso, essa regra transitória é insuficiente e não reflete a evolução dos papéis desempenhados por homens e mulheres na sociedade. Ele destaca que os cinco dias atuais não condizem com a compreensão atual sobre o direito à igualdade de gênero.

Além do presidente do STF, votaram a favor de reconhecer a omissão os ministros Edson Fachin, Cristiano Zanin, André Mendonça, Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Dias Toffoli. A decisão atende a um pedido de parlamentares vinculadas à Secretaria da Mulher, que solicitaram um prazo para o Congresso tratar do assunto.

Se o Congresso optar pela equiparação total, os pais terão direito ao mesmo benefício das mães: afastamento até um mês antes do parto e licença de 120 dias. O impacto fiscal da medida é estimado em até R$ 17,5 bilhões para 2025, com parte dos custos sendo assumidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e pelas empresas.

O relatório também destaca a necessidade de que o projeto de lei indique a fonte de custeio e outras medidas de compensação, uma vez que haverá aumento de despesa pública. O Congresso terá o prazo de 18 meses para deliberar sobre essa questão.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concurso

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.