MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

STF reconhece crise no sistema carcerário brasileiro e determina ações para estados

Tribunal reconhece haver uma violação sistemática e generalizada dos direitos dos detentos. Barroso sugeriu prazo de seis meses para a elaboração do plano nacional. Veja as ações propostas

Barroso sugeriu prazo de seis meses para a elaboração do plano nacional
Barroso sugeriu prazo de seis meses para a elaboração do plano nacional - Agência Brasil/JC Concursos
Pedro Miranda

Pedro Miranda

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 03/10/2023, às 22h19

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta terça-feira (3) para declarar que existe um “estado de coisas inconstitucional” no sistema carcerário do Brasil. A declaração do tribunal reconhece haver uma violação sistemática e generalizada dos direitos dos detentos e abre caminho para o Poder Público tomar medidas para enfrentar essa situação.

Os ministros determinaram que os governos estaduais e federal devem elaborar planos para lidar com os problemas no sistema prisional do país. Perspectiva foi apoiada pelas propostas do relator, o ministro Marco Aurélio Mello (aposentado), e pelo presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso.

Barroso sugeriu prazos mais longos para a implementação dos planos, além de outras medidas não incluídas inicialmente pelo relator, como a participação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na elaboração dos planos, a necessidade de homologação pelo STF e o monitoramento do cumprimento pelo CNJ.

+++ Greve dos trabalhadores: veja curiosidades de 5 movimentos que transformaram a história

Barroso sugeriu prazo de seis meses para a elaboração do plano nacional

Os ministros estão analisando o mérito de uma ação movida pelo PSOL sobre o tema. O julgamento foi suspenso no início da tarde e será retomado nesta quarta-feira (4) pelo ministro Gilmar Mendes não ter conseguido acessar a videoconferência.

O relator, Marco Aurélio Mello (ministro aposentado), já havia apresentado seu voto, que também reconhecia a violação de direitos. Barroso votou para que os governos federal e estaduais fossem obrigados a criar planos nacionais para abordar os problemas no sistema prisional.

Ele propôs um prazo de seis meses para a elaboração do plano nacional, com a participação do CNJ. Esse prazo começa a contar a partir da publicação da decisão. O plano nacional, que será validado pelo STF e monitorado pelo CNJ, será implementado ao longo de três anos. Os planos estaduais e do Distrito Federal serão propostos seis meses após a homologação do plano nacional.

Esses planos governamentais devem incluir medidas como o controle da superlotação das prisões por meio de revisões de processos de execução penal, a melhoria das instalações prisionais, programas de educação à distância nas prisões e propostas de compensação pelo cumprimento de penas em regimes mais rigorosos.

Barroso também determinou que juízes e tribunais de instâncias inferiores devem justificar por que não escolheram medidas cautelares ao determinar ou manter prisões preventivas. Eles também devem considerar a situação do sistema penitenciário ao aplicar e executar penas.

Outras medidas incluem realizar audiências de custódia em até 24 horas após a prisão, preferencialmente de forma presencial, e a liberação de recursos do Fundo Penitenciário Nacional.

+ Acompanhe as principais informações sobre Sociedade e Brasil no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google NewsSociedadeBrasil

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.