Diversos cargos

Concurso PF 2018: autorizada a nomeação de 1.047 aprovados

Decreto 9801, publicado nesta sexta-feira, 24 de maio, autoriza a nomeação de 1.047 aprovados no concurso público da Polícia Federal

0,00(0.0%)0 voto(s)

Fernando Cezar Alves
Publicado em 24/05/2019, às 11h59

Carro da Polícia Federal
Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro publicou, em diário oficial, nesta sexta-feira, 24 de maio, o decreto 9.801, que autoriza a nomeação dos aprovados no último concurso público da Polícia Federal(PF). O documento, que também é assinado pelo ministro da economia, Paulo Guedes, e pelo ministro da justiça, Sergio Moro, é para a convocação de 1.047 aprovados, incluindo as 500 vagas iniciais indicadas no edital e mais 547 remanescentes. Agora, as nomeações ficam sob a responsabilidade do diretor-geral da PF, delegado Maurício Valeixo.

A distribuição das vagas autorizadas para preenchimento, por cargo, é a seguinte: agente de polícia federal (229 postos), escrivão (68), papiloscopista (17), delegado (169), perito criminal área 1 (7), perito criminal área 2 (6), perito criminal área 3 (30), perito criminal área 4 (3), perito criminal área 5 (3), perito criminal área 6 (6), perito criminal área 9 (2), perito criminal área 12 (3) e perito criminal área 14 (4).

Como foi o concurso da Polícia Federal

O concurso da Polícia Federal contou com uma oferta de 500 vagas imediatas para os cargos de agente, papiloscopista e escrivão, todos com exigência de nível superior. Para delegado, a exigência do concurso da PF é de diploma, devidamente registrado, de bacharel em direito e, no mínimo, três anos de atividade jurídica ou policial comprovados na data da posse. Por fim, o posto de perito requer nível superior nas áreas de ciências contábeis, ciências econômicas, engenharia elétrica, engenharia eletrônica, engenharia de telecomunicações, engenharia de redes de comunicação, análise de sistemas, ciências da computação, engenharia da computação, informática, engenharia agronômica, geologia, engenharia química, química industrial, química, engenharia civil, engenharia florestal, medicina ou farmácia.

Para todos os empregos, os aprovados também deverão possuir carteira de habilitação a partir da categoria “B”, quando da posse. 

Para os cargos de agente, papiloscopista e escrivão, a remuneração atual é de R$ 12.441, 26, já considerando o auxílio-alimentação de R$ 458. Além disso, as duas categorias contarão com reajuste em janeiro de 2019, subindo para R$ 12.980,50.

Para perito e delegado, o inicial atualmente é de R$ 23.130,48, mas contará com reajuste em janeiro de 2019, quando passará para R$ 24.150,74.

Para todos os cargos, a jornada de trabalho é de 40 horas semanais.

Saiba as atribuições dos cargos no concurso da PF 

De acordo com o edital do concurso da PF, estão entre funções dos cargos: 

  • Agente de Polícia Federal: executar investigações e operações policiais na prevenção e na repressão a ilícitos penais, dirigir veículos policiais, cumprir medidas de segurança orgânica, desempenhar outras atividades de natureza policial e administrativa, bem como executar outras tarefas que lhe forem atribuídas. 
  • Delegado: instaurar e presidir procedimentos policiais de investigação, orientar e comandar a execução de investigações relacionadas com a prevenção e repressão de ilícitos penais, participar do planejamento de operações de segurança e investigações, supervisionar e executar missões de caráter sigiloso, participar da execução das medidas de segurança orgânica, bem como desempenhar outras atividades, semelhantes ou destinadas a apoiar o Órgão na consecução dos seus fins. 
  • Escrivão de Polícia: dar cumprimento às formalidades processuais, lavrar termos, autos e mandados, observando os prazos necessários ao preparo, à ultimação e à remessa de procedimentos policiais de investigação; acompanhar a autoridade policial, sempre que determinado, em diligências policiais, dirigir veículos policiais; cumprir medidas de segurança orgânica; atuar nos procedimentos policiais de investigação; desempenhar outras atividades de natureza policial e administrativa, bem como executar outras tarefas que lhe forem atribuídas. 
  • Papiloscopista: executar, orientar, supervisionar e fiscalizar os trabalhos papiloscópicos de coleta, análise, classificação, subclassificação, pesquisa, arquivamento e perícias, bem como assistir à autoridade policial e desenvolver estudos na área de papiloscopia, dirigir veículos policiais, cumprir medidas de segurança orgânica, desempenhar outras atividades de natureza policial e administrativa, bem como executar outras tarefas que lhe forem atribuídas. 
  • Perito Criminal: realizar exames periciais em locais de infração penal, realizar exames em instrumentos utilizados, ou presumivelmente utilizados, na prática de infrações penais, proceder pesquisas de interesse do serviço, coletar dados e informações necessários à complementação dos exames periciais, participar da execução das medidas de segurança orgânica e zelar pelo cumprimento das mesmas, desempenhar outras atividades que visem apoiar técnica e administrativamente as metas da Instituição Policial, bem como executar outras tarefas que lhe forem atribuídas. 

Conheça a progressão nas carreiras da Polícia Federal

Para os agentes, papiloscopistas e escrivães da Polícia Federal, na segunda classe, as remunerações, com o benefício, são de R$ 12.940,69 em 2018, indo para R$ 13.502,41 em janeiro de 2019. Para a primeira classe, R$ 15.067,83 em 2018, indo para R$ 15.725,27 em 2019. Na classe especial, R$ 18.306,60 em 2018, mudando para R$ 19.109,79 em 2019.

Para perito e delegado, na segunda categoria, R$ 23.710,07 em 2018, indo para R$ 24.756,42 em 2019. Na primeira, R$ 27.105,60 em 2018, indo para  R$ 28.304,74 em 2019. Finalmente, na classe especial, R$ 30.062,70 em 2018, indo para  R$ 31.394,91 em 2019.

Sobre PF - Polícia Federal

A Polícia Federal tem origem em 10 de maio de 1808, quando a Intendência-Geral de Polícia da Corte e do Estado do Brasil foi criada, por D. João VI. O órgão tinha as mesmas atribuições que tinha em Portugal. Com o decreto 6.378, de 28 de março de 1944, a antiga Polícia Civil do Distrito Federal, que funcionava no Rio de Janeiro, no governo de Getúlio Vargas, foi transformada em Departamento Federal de Segurança Pública (DFSP), subordinado ao Ministério da Justiça e Negócio Interiores. Posteriormente, em 13 de junho de 1946, com o decreto-lei 9.353, foi atribuída competência ao DFSP, em todo território nacional, para serviços de polícia marítima, área de fronteiras e apurações de diversas infrações penais.

Comentários

Mais Lidas