Saiba os erros mais comuns dos concurseiros

Especialistas apontam o que pode derrubar os candidatos e orientam sobre como evitar tais deslizes

Redação
Publicado em 08/02/2013, às 10h34

Basta um momento de distração e pronto! Todo o esforço de meses de estudo pode ser jogado fora, junto com a oportunidade de conquistar uma vaga no setor público. Além de muita determinação, concorrer a uma carreira pública exige preparo técnico e emocional. Pensando nisso, o JC&E conversou com especialistas da área com intuito de alertar concursandos sobre os principais erros que os candidatos cometem durante uma seleção e, especialmente, como evitá-los.

Fernando Elias José, consultor e mestre em cognição humana, explica que a ansiedade é uma das principais inimigas dos concurseiros. “Ás vezes os candidatos querem terminar tudo rápido, seja nos estudos, provas ou aulas. Isso atrapalha muito. A ansiedade deve ser levada a sério, pois tanto pode favorecer o concursando como também prejudicá-lo. Por isso, é preciso saber dosar. É difícil, mas necessário”, ressalta.

Com o mercado de trabalho privado cada vez mais disputado, muitas pessoas buscam em concursos públicos uma alternativa. O resultado é o aumento do número de candidatos a cada ano, elevando as chances de desânimo nos concursandos, já que a seleção, teoricamente, torna-se mais difícil. “O interesse por carreiras públicas tem provocado o aumento da concorrência e, por consequência, a necessidade do aspirante organizar melhor a vida para estudar”, conta Marcos César Gonçalves, advogado especialista em concursos, sobre a importância dos candidatos terem ciência sobre suas reais possibilidades.

Quem presta um concurso público não deve observar apenas o número de vagas e a remuneração oferecida, afirma Débora Gibertoni, coach e diretora de empresa voltada a coaching de carreira. “Eles têm que avaliar a sua formação acadêmica e a sua afinidade com aquele cargo”, explica. Além disso, “Deixar de procurar as provas dos concursos anteriores pode ser crucial para a não aprovação do candidato”, alerta Gibertoni.

Segundo Marcos, estudar de maneira inadequada também é um dos erros mais comuns. O advogado sugere organizar-se visando chegar ao melhor rendimento possível. “Deve aperfeiçoar a prática do ato de estudar, fazendo uso de técnicas e métodos que produzam a otimização do aprendizado, ou seja, menos esforço com melhor resultado”, comenta.

Quando o especialista orienta sobre a organização, não imagine que se refira apenas ao material de estudos ou ao tempo de dedicação. O cotidiano do concursando também deve ser tranquilo. “A organização da vida, do seu dia a dia, precede o início dos trabalhos, pois estabelece a base para obter um melhor aproveitamento dos estudos”, explica Gonçalves.

É bom ter cautela. Dedicar-se em excesso aos livros e apostilas pode ser prejudicial, afirmam os especialistas. “O lazer é necessário e fazer um equilibro é fundamental. Os candidatos precisam entender que o concurso público é parte da vida dele, mas não a própria vida. Por isso, é importante administrar os estudos com atividades em família”, ressalta Fernando. “O lazer tem que fazer parte do processo, assim como exercícios físicos”, conclui Débora.

Confira os oito erros mais comuns e como evitá-los:

Desorganização – Organize sua vida, mobilize todas as pessoas que estão em sua volta para este fim. Converse com a família e amigos para ajudá-lo, ou, ao menos, não atrapalhá-lo nesta empreitada.

Desculpinhas – Pare de arrumar desculpas para não estudar. “assuma sua responsabilidade, arregace as mangas e comece a estudar hoje mesmo, sem desperdiçar parte do dia com pretextos”, Destaca Marcos.

Despretensão – Trace metas, estabeleça objetivos claros a serem conquistados e em quanto tempo. Tenha sonhos, ambições, almeje alto, mas lembre-se que quanto maior a objetivo, maior o esforço.

Excessos – Não perca tempo. “Abandone o desnecessário, então, desative suas contas em sites de relacionamento, diminua o tempo com televisão. Lembre-se, tudo à sua volta é mais prazeroso que estudar, então não permita a aproximação de tentações insuperáveis”, afirma Gonçalves.

Ficar de bobeira – Aproveite o tempo livre. Independentemente de onde estiver, em caso de tempo disponível, mesmo que mínimo, utilize-o para estudo e leitura.

Desistir – Persista, nem todos são aprovados no primeiro concurso. A perseverança é a chave do sucesso, todos que persistem nos estudos conseguem a aprovação.

Limites – Supere-os! “Quando já estiver cansado, não imagine que tem que estudar tantas horas ainda, mas lute para estudar mais 15 minutos, 15 páginas ou até o próximo capítulo, enfim, vá vencendo a fadiga aos poucos, por etapas”, indica o advogado.

Ansiedade – Cresça de modo gradual e sólido. Não se esqueça de que você não irá apreender todo o conhecimento na primeira aula, leitura ou contato com o tema, mas sim em razão de um estudo constante, progressivo e repetitivo.

Douglas Terenciano/SP

Fonte: Marcos César Gonçalves, advogado especialista em concursos públicos e sócio do escritório GMPR - Gonçalves, Macedo, Paiva & Rassi Advogados

Comentários

Mais Lidas