MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | saúde | Sociedade | youtube jc

Falta de remédios pode gerar colapso na saúde; confira a lista de medicamentos em déficit

A falta de remédios impede o tratamento de doenças de grande prevalência no Brasil. Veja como farmácias e unidades de saúde já têm estoques comprometidos

Glícia Lopes* | redacao@jcconcursos.com.br
Publicado em 12/07/2022, às 00h16

Mão pegando remédio na prateleira | Foto: Freepik
Mão pegando remédio na prateleira | Foto: Freepik
WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmail

O alerta sobre o risco de desabastecimento de insumos médicos foi feito pela Confederação Nacional de Saúde em 20 de junho deste ano, em comunicado emitido pelo órgão. Segundo a CNS, foi entregue ao Ministério da Saúde e à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), em fevereiro deste ano, um ofício que pedia providências sobre a falta de remédios e insumos, anunciando a crise.

Segundo apuração feita pelo O Globo, o Ministério da Saúde também já vinha sendo alertado pelo Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e pelo Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) sobre o possível desabastecimento de medicamentos.

A escassez de medicamentos atinge a população brasileira logo durante o inverno, época em que as síndromes virais se tornam mais frequentes, devido à queda da temperatura. De acordo com o Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), são fármacos considerados altamente essenciais que estão em falta, além de soro hospitalar e soluções parenterais, que são utilizados por boa parte dos brasileiros.

+++ Ministério da Saúde está com inscrições abertas para cursos gratuitos; veja como participar

Quais os riscos da falta de remédios para a saúde no Brasil

A pandemia de Covid-19 facilitou a disseminação de crises ao redor do mundo. O Brasil acompanhou freneticamente essa tendência, voltando ao mapa da fome e, agora, à falta de remédios essenciais nas prateleiras e hospitais. A alta demanda por medicamentos, bem como a escassez de insumos ajudou a provocar a crise.

O Brasil é produtor de apenas 5% dos insumos farmacêuticos ativos (IFA), ficando à mercê da China que fornece a fatia de 68% dos ingredientes essenciais para a produção de remédios. Outra dependência fica por parte das embalagens dos medicamentos que obtemos por meio de importações.

Em apuração realizada pelo O Globo, medicamentos listados na Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais) de 2022, já não estão presentes em boa parte da rede de farmácias e também em unidades de saúde. Um estudo realizado pela Confederação Nacional de Saúde, com 106 estabelecimentos de saúde, como hospitais, clínicas especializadas e empresas de atendimento domiciliar, constatou o déficit de:

FaltaUsado para Em % dos estabelecimentos apurados
soro fisiológicotratar desidratação87,6% 
dipirona injetáveldor e febre62,9%
neostigminadoença autoimune que provoca fraqueza muscular50,5%
atropinaarritmias cardíacas e úlcera péptica49,5%
contrastesexames radiológicos43,8%
metronidazol bolsainfecções bacterianas41,9%
aminofilinaasma, bronquite e enfisema41%
amicacina injetávelinfecções bacterianas graves40%


Como demonstrado, os remédios em falta são bastante conhecidos e utilizados pela população, o que preocupa os órgãos de saúde sobre a possível falta de assistência básica no SUS. O Conasems também identificou a falta de dipirona comum, amoxicilina, clavulanato de potássio e azitromicina em novo levantamento realizado.

A falta dos remédios e insumos atinge tanto as farmácias, quanto hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde), demonstrando a gravidade do problema. O déficit pode acarretar na descontinuação de tratamentos; no aumento dos preços dos insumos; efeitos adversos de medicamentos na tentativa de substituir o que está em falta; aumento de internações e mortes, caso tratamentos essenciais sejam interrompidos.

+++ Acompanhe as principais informações sobre Saúde no JC Concursos

Siga o JC Concursos no Google News e acompanhe nossos destaques
Voltar ao topo

+Mais Lidas

JC Concursos, o seu Jornal dos Concursos de sempre. Imparcial, independente, completo.