Auxílio emergencial com o valor de R$ 600 precisa ser mantido após o terceiro mês, afirma Maia

O auxílio emergencial de R$ 600, que teve início em abril, está previsto para ser pago em três parcelas mensais

Redação
Publicado em 29/05/2020, às 10h02

None
Najara Araújo/Agência Brasil

O presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comentou sobre a necessidade da permanência por mais tempo do pagamento do auxílio emergêncial de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras), com a manutenção do atual valor. O benefício está sendo pago devido a paralisação das atividades econômicas no país em razão das medidas de distanciamento social para evitar maior propagação do novo coronavírus.

“Eu acho que seria muito ruim no quarto ou no quinto mês qualquer mudança no valor de R$ 600, mas compreendo a preocupação do governo”, disse Rodrigo Maia em entrevista coletiva antes de iniciar sessão deliberativa virtual da Câmara dos Deputados que vota parecer sobre a Medida Provisória nº 936/2020, que permite a redução de salários e jornada de trabalho ou suspensão do contrato trabalhista durante o estado de calamidade pública.

Maia ponderou que é preciso encontrar “soluções para que pelo menos no curto prazo a gente possa manter o valor e depois fazer uma escadinha reduzindo esse valor.” Em sua avaliação, uma alternativa seria compor orçamento novo para a medida e utilizar recursos de “uma parte de programas que estão mal alocados.” O arranjo proposto seria provisório. “Talvez esse somatório nos dê as condições de a gente manter por mais algum período os R$ 600 e depois tentar criar um programa oficial permanente de renda mínima com esses programas que já existem no governo”, sugeriu.

O pagamento do auxílio, iniciado em abril, está previsto em três parcelas mensais de R$ 600. No caso de mães chefes de família, o benefício é dobrado, no valor de R$ 1,2 mil. A Caixa Econômica Federal começou a pagar a segunda parcela no dia 18 de maio. O dinheiro é do Tesouro Nacional. O governo avalia prorrogar o pagamento do auxílio em valor menor: R$ 200, que resultaria em custo mensal de R$ 17 bilhões, conforme previsões da Secretaria Especial de Fazenda.

*reprodução Agência Brasil

Comentários

Mais Lidas