PEC dos Precatórios: Lira confirma votação para amanhã e prevê ampla margem de apoio

O governo federal defende que a aprovação da PEC do Precatórios irá beneficiar o financiamento do Auxílio Brasil

Victor Meira | victor@jcconcursos.com.br
Publicado em 08/11/2021, às 12h54 - Atualizado às 12h57

None
Agência Brasil

Nesta segunda-feira (08), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), manteve o calendário previsto para votação da PEC dos Precatórios, que deve ser feita amanhã (09). Ele destaca que a margem de apoio à proposta deve aumentar na votação desta terça, sendo assim Lira espera um quórum maior. 

Na última semana, o texto-base foi aprovado em primeiro turno com 312 votos, com 456 parlamentares presentes. Vale lembrar que são necessários 308 votos para aprovação da proposta. Caso a PEC dos Precatórios seja aprovada, ela será enviada para análise do Senado. 

O presidente da Câmara afirmou que não acredita que o Supremo Tribunal Federal (STF) interfira na tramitação da proposta, uma vez que foram feitos alguns pedidos para barrar a PEC dos Precatórios em ações judiciais. 

"Não acredito em paralisação de votação por liminar que venha a obstaculizar a votação. O Supremo pode se pronunciar depois sobre a constitucionalidade ou inconstitucionalidade de uma matéria. Mas interferir no trâmite de uma matéria eu nunca vi acontecer. Espero que não aconteça, porque os Poderes se respeitam, sabem das suas atribuições e competências", defendeu Lira.

Ele ainda explica que a votação é uma matéria interna corporis do Poder Legislativo. "Com relação a medidas judiciais, lamento sempre quando você judicializa a política. Você não pode o tempo todo estar ganhando votações de 1 a 312", disse, referindo-se a um ministro do STF contra 312 deputados.

Apesar dessa afirmação, Lira relata que a Câmara dos Deputados sempre teve um bom relacionamento com o Supremo. "Naquela crise institucional dos Poderes, em setembro, sempre atuamos como bombeiros", destaca.

Em relação a votação remota, Lira defendeu a medida porque os parlamentares estavam em missão oficial e deveriam contribuir com um texto tão importante para o Brasil. Ele aponta que o placar não foi unânime, em que seis votaram a favor e dois contra. 

"Estamos ainda com a mudança do sistema virtual para o presencial. Há uma reclamação normal, todo mundo se acostumou a ficar nos estados, a trabalhar em home office. Sempre há solicitações de que a Câmara possa flexibilizar isso ainda neste ano", argumentou.

*com informações da Agência Câmara

+++Confira as principais informações sobre os benefícios sociais no JC Concursos

Comentários

Mais Lidas