MenuJC Concursos
Busca
Últimas Notícias | | Empregos | Sociedade | youtube jc | WEBSTORIES

Segundo NOVA pesquisa, diminuiu o número de empresas com home office

Empresas estão retomando ao trabalho presencial, mas profissionais preferem o modelo home office

Mulher trabalhando de home office
Mulher trabalhando de home office - Freepik
Victoria Batalha

Victoria Batalha

redacao@jcconcursos.com.br

Publicado em 27/03/2023, às 07h56 - Atualizado às 08h02

WhatsAppFacebookTwitterLinkedinGmailGoogle News

O trabalho no modelo home office (trabalho remoto) existia há muito tempo, porém, ganhou popularidade durante a pandemia como forma de frear os números de contaminação que atingiam todo o mundo. Profissionais de diversos setores passaram a trabalhar diretamente de suas casas e agora neste cenário de pós-pandemia, quando parecia que as empresas continuariam no mesmo modelo, a realidade vem se mostrando diferente. 

Conforme um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), as empresas brasileiras estão diminuindo o número de trabalho remoto no país e cada vez mais companhias estão convocando os seus colaboradores para voltarem ao trabalho presencial. Em 2021, eram 55,5% profissionais no home office, em 2022, esse número caiu para 34,1%. O estudo também inclui a queda no trabalho híbrido, onde profissionais revezam dias no trabalho remoto com dias no trabalho presencial. 

O relatório da FGV apontou que a diminuição é exatamente o cenário pós-pandemia, que teve uma redução nas restrições impostas entre 2020 e 2021. 

Além disso, o trabalho remoto é mais forte para profissionais com salários mais alto. Os trabalhadores com rendas menores, 82,8% estavam com trabalho 100% presencial em outubro do ano passado. Já os que um pagamento maior, 17,2% estão trabalhando presencialmente todos os dias. 

Produtividade no home office

Muitas empresas e líderes acreditam que o trabalho remoto impacta de forma negativa na produtividade dos colaboradores, mas em 2021, 21,6% empresas que adotaram o modelo home office perceberam que teve um aumento na produtividade, em comparação, 19,4% perceberam uma queda. 

Já no ano seguinte, em 2021, 30% perceberam que teve um aumento na produtividade, enquanto 10,2% disseram em entrevista que teve uma perda na produtividade. 

Sobre a quantidade de dias em home office, no setor administrativo em 2021, era de 3,1 dias trabalhando de forma remota. Em 2022, a média foi para 3. Já nas áreas operacionais, em 2021 era de 1,1 dia e no ano seguinte foi para 1,6 dia. É espero que esse número fique em 1,4 dia no futuro. 

Além disso, a FGV abordou os principais pontos positivos de se trabalhar de forma remoto, apenas 4% dos entrevistados disseram que não veem nada positivo em trabalhar no modelo home office. Agora em relação as vantagens, foi citado não perder tempo com deslocamento (61%), ter horários flexíveis (58,9%), conforto para trabalhar (52,5%), redução de custos (51,9%), aumento na qualidade de vida (50,4%) e aumento na produtividade (40,6%). 

Siga o JC Concursos no Google News

JC Concursos - Jornal dos Concursos. Imparcial, independente, completo.